A alimentação deve ser generosa em fruta, verduras e sopas

204

“Beber oito a dez copos de líquidos por dia pode ser uma boa referência para a manutenção de uma hidratação adequada em condições normais”

A água é um nutriente essencial que desempenha um papel importante no nosso organismo, como o transporte de nutrientes, eliminação de resíduos ou a regulação da temperatura, e tem qualidades estruturais e lubrificantes. As necessidades diárias de água e líquidos estabelecidas pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA) são geralmente de 2 a 2,5 litros por dia para mulheres e homens adultos, respetivamente.

No entanto, o Prof. Dr. Lluís Serra-Majem, presidente da Fundação para a Investigação Nutricional e Professor de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria observa que “embora haja uma crescente consciencialização, a maioria da população europeia não atende a essas recomendações. Beber entre oito a dez copos de líquidos por dia pode ser uma boa referência para a manutenção de uma hidratação adequada em condições normais. “

Além disso, explica, “não devemos confiar apenas na sensação de sede. É preciso aumentar a necessidade de líquidos no tempo mais quente ou se realizar exercício físico intenso, e deve monitorizar-se o estado de hidratação das pessoas mais vulneráveis que sofrem de hipo-hidratação, como crianças, grávidas e pessoas de mais idade”.

Durante o verão, especialmente em vagas de calor, como nos dias de hoje, o Prof. Dr. Javier Aranceta, Presidente do Comité Científico da Sociedade Espanhola de Nutrição Comunitária e Professor Associado de Nutrição Comunitária na Universidade de Navarra, alerta “A alimentação no verão deve ser generosa em frutas, legumes, sopas e alimentos com alto teor de água. Contudo, é recomendável que 75% a 80% dos líquidos que ingerimos diariamente venham das bebidas”. A este respeito, aquele especialista afirma que “todas as bebidas não-alcoólicas contendo mais do que 80% de água e menos do que 50 mEq/l de sal são uma fonte de hidratação, o que é particularmente relevante em condições ambientais quentes”.

Ambos os especialistas apontam que uma desidratação correspondente a 2% de perda de massa corporal ou mais tem um impacto sobre o desempenho físico e pode afetar as capacidades cognitivas, tais como a coordenação visual-motora, atenção ou memória de curto prazo. Além disso, a desidratação pode alterar a atividade cerebral e a função de certos sistemas de neurotransmissores envolvidos na cognição e prejudicar o desempenho em exercícios aeróbicos, especialmente em climas mais quentes.

De acordo com o Prof. Serra-Majem atualmente há muita investigação tanto no campo da hidratação e da saúde. Assim, nesse senido assinala que “o aumento do consumo diário de água e líquidos em pessoas que sofrem dores de cabeça, especialmente entre aqueles que ingerem menos do que as quantidades recomendadas, pode reduzir a intensidade e o número de episódios.”.

Os especialistas também lembram a importância de ler a informação nutricional dos alimentos e bebidas disponíveis para os consumidores em relação às calorias que eles fornecem, e optar por alternativas sem ou com baixas calorias, dependendo da atividade física que cada pessoa pratica e do seu estilo de vida.

Serra-Majem Ll, Gil A. Conclusions of the I International and III National Hydration Congress Madrid, Spain 3rd and 4th December, 2013. Rev Esp Nutr Comunitaria, 2014;20 (Supl.1):2-12

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close