A instabilidade politica não afetará o investimento na Europa

A instabilidade politica não afetará o investimento na Europa

315

Os principais riscos que a economia mundial enfrenta são essencialmente geopolíticos, facto que beneficiará o setor imobiliário pelo seu estatuto de porto seguro face ao aumento de risco esperado para o mercado de dívida pública.

A Europa do Sul captará 11% de quota de mercado, com Portugal e Espanha a liderarem as preferências dos investidores. De acordo com os últimos dados revelados pela Cushman & Wakefield, o investimento imobiliário comercial na Europa continuará forte em 2017.

No estudo “O Futuro do Investimento Imobiliário”, as previsões da Cushman & Wakefield apontam para um crescimento dos volumes de investimento imobiliário na Europa na ordem dos 6%, bem como para uma evolução positiva dos preços, esperando-se uma subida das rendas de entre 2% a 3% e nova contração de yields na ordem dos 30 a 40 pontos base.

A elevada participação dos capitais norte americanos no mercado europeu deve diminuir em 2017, dado o esperado enquadramento de subida de taxas de juro, sendo substituída por capitais asiáticos e do Médio Oriente.

2017 será um ano com alguma instabilidade politica e económica à medida que os resultados do referendo do Reino Unido e das eleições presidenciais do EUA começam a ter efeitos reais e a influenciar os mercados. A instabilidade do sistema bancário persiste na Europa e pode emergir na China, enquanto as próximas eleições em França, Alemanha e Holanda podem trazer outras implicações para o futuro da União Europeia.

A publicação identifica os mercados que oferecem investimentos com crescimento estável e que continuarão a atrair mais investidores. As localizações alvo na europa voltarão a ser os mercados core, com Paris, Berlim, Frankfurt, Londres e Amsterdão a liderar a captação de investimento. Os mercados periféricos que demonstrem uma evolução económica sólida, estabilidade política e qualidade de produto, estarão também no radar.

Neste enquadramento a cidade de Lisboa encontra-se muito bem posicionada, tanto no sector de escritórios – que revela um notável comportamento na atividade ocupacional – bem como em retalho, tendo em conta a qualidade excecional dos ativos nacionais.

A reabilitação urbana é outra das tendências identificadas para 2017, e neste âmbito a cidade de Lisboa surge também como uma excelente alternativa, oferecendo um vasto conjunto de oportunidades a preços competitivos à escala europeia.

Os mercados da Europa do Sul deverão ter uma quota de mercado em 2017 na ordem dos 11% (face aos 10% atingidos em 2016), sendo Portugal e Espanha os mais populares. A evolução positiva do mercado ocupacional, o aumento das rendas em 2016, o crescimento do turismo e a crescente atratividade da cidade de Lisboa como destino europeu, são alguns dos fatores que irão beneficiar a captação de investimento estrangeiro.

Em Portugal, as expetativas para a atividade de investimento imobiliário apontam para uma manutenção de volumes acima dos €1.000 milhões, sendo muito provável que se ultrapasse o valor transacionado em 2016, cerca de €1.300 milhões que foi já o 2º mais alto de sempre. Os valores de mercado deverão refletir movimentos menos agressivos que os esperados para o resto da Europa, essencialmente ao nível das yields que devem manter-se estáveis ao longo de 2017.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close