A TODO O GÁS

237

Enquanto dedilho estas letras, lavra, impetuoso, um incêndio de ódio que ameaça varrer a Ucrânia, o 44º país em extensão territorial e o 2º da Europa, logo a seguir à Rússia Europeia – um país, além do mais, com uma riquíssima história milenar e que, depois de ter sido co-fundador da URSS, em 1922, dela se veio a separar em 24 de Agosto de 1991, tornando-se assim formalmente independente.

Uma vez, porém, entregue a si próprio, eis que se soltaram do seu seio as forças autofágicas da corrupção que, com obscena avidez, têm vindo a sugar os colossais lucros provenientes sobretudo dos seus recursos mais procurados: gás natural e petróleo – e a que se juntou, a ubíqua gula predadora das grandes potências.

É dos manuais da Psicologia Social que o valor de um grupo humano se mede pelo grau de atractibilidade que suscita: todos desejam o que percepcionam como valioso e compensador. É o clássico ditado popular dos «sete cães a um osso» – só pode ser saboroso um tal osso!

A verdade é que ninguém se mete numa briga para ser aceite e acolhido num clube que se dedique à cultura da minhoca!

Mas um país onde, de vez em quando, acontecem fenómenos como o que ocorreu há uns tempos na cidade de Borislav, quando, num quintal de uma casa, jorrou uma “fonte” de petróleo e as pessoas o recolhiam à superfície com baldes, um país tão ostensivamente pródigo em recurso tão disputado só um destino pode ter como certo: ser alvo preferencial da cobiça internacional.

Algo sintomaticamente parecido acontece em Moçambique: enquanto aquele país-irmão se manteve solidamente instalado na cauda do mundo como um dos países mais pobres, foi relativamente estável e fácil o entendimento, que era pouco o que havia para repartir. Mas, agora que o bolo medrou descomunalmente, essa repartição tornou-se bem mais problemática e surgiram, pressurosos, outros convivas à volta da mesa – de dentro e de fora!

Mas voltemos à Ucrânia para reconhecermos um problema químico grave: petróleo com gás dá incêndio – não admira, pois, que o país esteja literalmente a arder!

Só que, como acontece com a maioria dos nossos incêndios de Verão, também este foi ateado por mão criminosa – foi fogo-posto!

Uma diferença, contudo: enquanto por cá, num país a fazer de conta, o fogo é quase sempre ateado por pirómanos, por gente que se baba e excita alarvemente só de ver as chamas alterosas na televisão, neste terrível incêndio ucraniano, o fogo foi ateado por interesse. Com a trágica hipocrisia do costume: os incendiários de ontem fazem-se passar pelos solícitos bombeiros de hoje – com uma peculiaridade: deixam primeiro que o fogo alastre o suficiente para ficar fora de controlo interno, pois é preciso que a intervenção que se procura pareça ser reclamada por quem está em risco de ser devorado pelas chamas.

Entendamo-nos: a Ucrânia é um país certamente estimável, mas paradoxal. Muito quiçá em resultado da sua ambiguidade geográfica de que resulta um perfil geopolítico bastante peculiar, este país, dicotómico e cindido ente o apelo eslavo e o apelo europeísta, dividiu-se à pedrada e a tiro para, numa corrida sanguinolenta e “a todo o gás”, ver qual das duas partes se precipita primeiro nos braços generosos do respectivo protector.

Bem vistas as coisas, eis a tragédia da Praça da (In) dependência de Kiev: duas facções lutando encarniçadamente pela respectiva dependência – e ambas com igual fervor em busca da tão almejada canga: uma, de dolorosa memória, mas que talvez Freud possa ajudar a explicar, vasculhando as insondáveis tortuosidades da mente humana, enquanto a outra tem, ao menos, a atenuante do engodo da novidade.

E olhando para o fascínio mortal dos ucranianos por uma tutela que os proteja e ampare no seu medo de agarrar nas próprias mãos o seu destino, dou comigo a pensar no beco a que nos conduziu a mania, bem portuguesa, de querermos, à viva força, emparceirar com os ricos, de vestir fraque, apesar de falidos.

Também nós, em Portugal, estamos entalados, dócil e docemente entalados, entre a canga e a miséria – uma canga que nos submete e a fatalidade de uma miséria que nos asfixia: onde, pois, a nossa Praça da Independência? Onde?

Em 1755, isto resolveu-se com um terramoto. Quem sabe se não vem por aí outro?!

Por: José Antunes de Sousa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close