Alexandre Delgado no Terras Sem Sombra em Beja!

426

A conferência anual do Festival de Música, “Terras sem Sombra” vai ter lugar este sábado (31) pelas 17:00, na igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, em Beja, sede do Museu Episcopal da cidade tendo “A violeta: Perenidade de Um Instrumento Injustiçado” como mote para a intervenção de Alexandre Delgado, compositor, violetista e comunicador.

A violeta, habitualmente designada viola de arco (ou, simplesmente, viola), surgiu ao mesmo tempo que o violino, no século XVI, mas só no século XVIII lhe começaram a explorar a veia solística, algo em que Telemann e Bach foram percursores.

Mozart adorava o instrumento e Schumann revelou-se um amigo compreensivo. Instrumento de compositores, a violeta foi tocada e preferida em música de câmara por Haydn, Mozart, Beethoven, Schubert e Mendelssohn. No repertório sinfónico, Brahms, Tchaikovski, Strauss e Mahler confiaram-lhe temas que lhe revelam a alma poética e original. Hindemith fez dela o seu instrumento principal e, secundado por Bartók e Chostakovitch, deu-lhe novo protagonismo no século XX; tendência que se prolongou até aos nossos dias com Schnittke e Feldman, entre muitos outros.

Beja acolhe, pelo quarto ano consecutivo, o ciclo de conferências do projecto Terras Sem Sombra, tornando-se o palco privilegiado para um dos pilares centrais deste Festival: a inclusão musical de uma população que, como refere José António Falcão, “se vê privada do acesso aos círculos culturais da metrópole, mas acaba por ser a que cumpre maior número de requisitos para melhor usufruir de uma programação cuidada no âmbito da arte sacra.”

Alexandre Delgado, a perícia do compositor e do intérprete

Compositor e violetista, Alexandre Delgado nasceu em Lisboa, em 1965. É neto do Marechal Humberto Delgado. Estudou na Fundação Musical dos Amigos das Crianças e foi aluno de composição de Joly Braga Santos e de Jacques Charpentier, tendo-se diplomado em violino e composição no Conservatório Nacional, em 1983. Aluno particular de Joly Braga Santos, o seu Prelúdio para cordas foi estreado pela Orquestra Sinfónica da RDP, em 1982.

Prosseguiu a formação com Jacques Charpentier, em França, como bolseiro da Secretaria de Estado da Cultura, diplomando-se com o 1.º Prémio de Composição do Conservatório de Nice, em 1990. Aluno em violeta de Barbara Friedhoff, foi vencedor do Prémio Jovens Músicos em 1987 e membro da Orquestra Juvenil da União Europeia – onde tocou sob a direcção de Claudio Abbado e Zubin Mehta – e da Orquestra Gulbenkian. Gravou a Sonatina de Armando José Fernandes (com o pianista Bruno Belthoise).

Crítico musical do Público entre 1992 e 2002, assina o programa A Propósito da Música, na Antena 2, desde 1996, e é autor dos livros A Sinfonia em Portugal, A Culpa é do Maestro (crítica musical) e Luís de Freitas Branco, publicados na Editorial Caminho. Director do Festival de Música de Alcobaça desde 2002, integra desde 2005 o Quarteto com Piano de Moscovo, com o qual fez, em 2012, a primeira gravação mundial do Quarteto com Piano, de Anton Rubinstein. Dirige a Orquestra da Fundação Musical dos Amigos das Crianças desde 2013 e prossegue a sua carreira de freelancer como instrumentista, maestro, tradutor de óperas e comentador de concertos.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close