Angola é um dos países de maior risco no investimento

354

Angola é um dos países emergentes com maior nível de risco. Botswana continua a ser a economia emergente mais transparente

A mais recente publicação “Emerging & Frontier Markets” divulgada pela Cushman & Wakefield, descreve que apesar das recentes dificuldades sentidas nas principais economias dos países emergentes, estes mercados mantêm-se como uma boa alternativa de investimento.

A terceira edição do estudo “Emerging & Frontier Markets”, que inclui um índice de risco associado por país discute a forma como nos últimos 20 anos o cenário da economia global se alterou, com os investidores a procurarem cada vez mais as elevadas taxas de retorno dos países emergentes.

Estes mercados também se tornaram particularmente atrativos para as empresas, que desta forma respondem à estagnação sentida nas economias mais maduras.

O continente africano demonstra um desempenho particularmente positivo. Fatores como uma classe média em franco crescimento, melhorias nas infraestruturas e avanços tecnológicos, aliados a um mercado imobiliário com crescente transparência, levaram a que metade das primeiras 10 posições do índice seja ocupada por estados africanos.

Os resultados do índice de 2015 revelam uma manutenção do Botswana como o país mais atrativo para os ocupantes. Outros estados africanos que fazem parte do top 10 do índice são a Africa do Sul, o Gana, Marrocos e a Tunísia.

Refira-se no entanto a grande diversidade do continente africano, pois Angola, a República Democrática do Congo e o Zimbabwe surgem nas últimas posições do índice. A situação frágil do mercado angolano percecionada por ocupantes e investidores tem tido efeitos negativos não só no próprio país, mas também em Portugal, tendo em conta a estreita relação económica entre ambos os países.

Embora o sudoeste asiático seja uma das regiões do mundo com o crescimento mais acelerado, com os VIP’s, Vietname, Indonésia e Filipinas, a registarem um desempenho económico muito positivo, os três países caíram no ranking em 2015, sendo as principais razões alterações nos regimes de propriedade, no caso do Vietnam e das Filipinas, e os custos de registo de propriedade no caso da Indonésia.

No continente americano importa destacar a excelente performance do Uruguai que subiu 16 posições, ocupando em 2015 a 2ª posição do ranking; e do Panamá, que passou da 27ª posição para a 7ª em 2015. Outros mercados como o México, a Argentina e El Salvador registaram também subidas no ranking, estando hoje nas 12ª, 14ª e 19ª posições respetivamente.

Nestas geografias os principais pontos a favor são a as perspetivas de desaceleração económico no curto prazo que se traduzem em expetativas de descida nas rendas; fator favorável para empresas que se queiram localizar nestes países.

Cushman & Wakefield/CS

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close