APP Patrulheiros deteta e envia atentados ao ambiente

APP Patrulheiros deteta e envia atentados ao ambiente

193

A APP Patrulheiros criada em 2017, mas entretanto testada e oficialmente lançada em janeiro de 2019, já conta com cerca de 3.500 utilizadores registados e ativos.

Os downloads da APP Patrulheiros cresceram 75% no segundo trimestre deste ano em comparação com os primeiros meses de 2019. Esta ferramenta permite detetar e enviar atentados ao meio ambiente em qualquer parte do país, ocorrências que são rapidamente direcionadas às entidades responsáveis de cada região.

Em relação aos utilizadores da APP Patrulheiros, verifica-se um maior número de envios dentro da respetiva região de residência, com 40% contra os 30% registados no início do ano. No entanto, ainda se mantém uma maior percentagem de ocorrências relatadas por utilizadores fora da região de residência.

O relatório divulgado pela Associação Patrulheiros aponta ainda para respostas mais rápidas das entidades responsáveis às ocorrências registadas na App. Ou seja, se antes os Municípios não eram tão céleres a reagir aos atentados ao meio ambiente, com apenas 35% a darem respostas e intervirem para uma rápida resolução das mesmas, os números atuais revelam um cenário positivo. Entre maio e julho deste ano, 60% dos Municípios reagiram positivamente aos envios das ocorrências, com um aumento de quase 50% às solicitações de índole ambiental, em alguns casos, com ações realizadas nas 24 horas posteriores ao envio registado por um Patrulheiro na Aplicação.

José Nuno Amaro, mentor do projeto lançado em janeiro deste ano, destaca ainda a tendência do uso da APP Patrulheiros pelos seus usuários de maneira mais prática e racional: “Os utilizadores têm demonstrado menos interesse em pequenos focos ou em situações temporárias, como caixotes do lixo cheios ou focos de poluição momentânea, festivais, eventos ou atividades de exterior, e mais interesse em situações de resolução efetiva” afirma o presidente desta associação.

No relatório, verifica-se ainda a mudança nos distritos com maior registo de ocorrências, com Lisboa (22,6%), Porto (17,1%) e Aveiro (16,4%) no Top 3, seguidos por Setúbal (10,9%) e Braga (7%).

Entre os tipos de ocorrências mais enviadas pelos patrulheiros no segundo trimestre do ano, estão Entulho (37%), Lixo florestal (29%), Pisos em mau estado e estradas perigosas (7%), e a Existência de produtos tóxicos, riscos elétricos e outros (7%). Problemas na Zona Costeira (5%), Falta de caixotes de lixo (3%) e Queimadas ilegais e/ou fora de época (2%) aparecem no fim da lista.

“A APP Patrulheiros e a sua Rede Nacional de voluntariado ambiental está a suplantar as expectativas e os números projetados para esta fase. É incrível como um esforço de tantos utilizadores voluntários pode gerar um trabalho sem procedentes em Portugal, com os nossos Patrulheiros, anónimos aos olhos de todos mas altamente prestativos e imprescindíveis, para que possamos levar este trabalho a um final feliz” remata José Nuno Amaro.

Segundo o presidente da Associação Patrulheiros, até o final de setembro estará disponível a versão da APP que permitirá que todas as aplicações locais dos municípios se conectem, recolhendo, assim, informações das zonas geográficas a partir dos dados recolhidos pelos utilizadores da APP Patrulheiros, bem como da sua respetiva plataforma Nacional de Ocorrências.

Lançada oficialmente em janeiro de 2019 com acesso gratuito a todos os utilizadores Android ou IOS, a APP Patrulheiros foi criada em 2017 e testada por mais de mil utilizadores espalhados pelo país, podendo ser usada desde a zona costeira às serras e montanhas, sem esquecer as zonas urbanas com grande relevo ambiental em todo o país. Dos 308 Municípios portugueses, 298 já têm utilizadores registados e ativos, sendo que a previsão é a de que, até ao final de 2019, existirão Patrulheiros em todo o país.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close