Desenvolvidos Aerogéis limpos na FCTUC em Coimbra

Desenvolvidos Aerogéis limpos na FCTUC em Coimbra

291

Os aerogéis de sílica puros, são excelentes isolantes térmicos, devido à sua estrutura, mas a libertação de uma grande quantidade de partículas durante o seu manuseamento tem condicionado a aplicação na indústria, especialmente nos setores aeroespacial e da construção civil.

Um problema que tem os dias contados graças a uma investigação desenvolvida por uma equipa do Departamento de Engenharia Química (DEQ) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e da Active Aerogels, empresa que se dedica ao desenvolvimento de produtos inovadores para isolamento térmico, baseados em aerogéis.

Após dois anos de estudo, desenvolvimento e testes de novas formulações que permitissem resolver o problema da libertação de partículas e pó sem por em causa as propriedades únicas que fazem dos aerogéis excelentes isolantes térmicos (leveza, baixa condutividade térmica e versatilidade), o primeiro aerogel “limpo” produzido pelos investigadores da FCTUC e Active Aerogels está pronto a entrar no mercado.

«É o resultado de um projeto muito complexo, que passou por várias fases. Primeiro, a partir de aerogéis puros de sílica, introduzimos e testámos novos compostos, através de processos de tecnologia química. Numa segunda fase, encontrada a fórmula adequada para impedir a libertação de partículas, mas sem prejudicar as propriedades dos atuais aerogéis, seguiram-se múltiplas experiências, primeiro em laboratório, numa escala muito reduzida», afirma Rafael Torres, investigador do projeto que, na FCTUC, é coordenado pela especialista em aerogéis, Luísa Durães.

Com os testes em laboratório a revelarem-se promissores, os investigadores avançaram para testes em escalas maiores. E, aqui, aumentou a complexidade do projeto, porque, explica Rafael Torres, «à medida que aumenta a dimensão do produto, diminui a capacidade de manter o sistema homogéneo, sendo as propriedades do produto deterioradas. Tivemos de garantir que tais propriedades – densidade e condutividade, assim como propriedades mecânicas – se mantêm no produto final independentemente da escala em que ele é produzido».

Ultrapassados todos os obstáculos, os novos aerogéis vão permitir incrementar a aplicação deste tipo de material na indústria, particularmente na aeroespacial, onde a libertação de partículas e pó é crítica devido ao risco de contaminação. O projeto foi financiado, em mais de 700 mil euros, por fundos da União Europeia (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), Portugal 2020 e Centro 2020.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close