Home | Saúde | Dia Mundial da Esclerose Múltipla assinala-se a 30 de Maio
Dia Mundial da Esclerose Múltipla assinala-se a 30 de Maio

Dia Mundial da Esclerose Múltipla assinala-se a 30 de Maio

O Dia Mundial da Esclerose Múltipla (E.M.), assinala-se no próximo dia 30 de maio, data em que a comunidade científica e as associações de doentes e familiares desafiam personalidades políticas e decisoras a participar na iniciativa #PARAvencerEM.

Foram criados 14 vídeos de 1 minuto que sugerem como podem as pessoas com Esclerose Múltipla e a sociedade, contribuir para que, quem vive com esta doença esteja verdadeiramente no centro das decisões, através da resposta às questões:

Em alinhamento com as estruturas internacionais dedicadas a esta causa e fazendo jus à campanha de 2018 com o mote #bringinguscloser, juntam-se nesta iniciativa o Grupo de Estudos de Esclerose Múltipla da Sociedade Portuguesa de Neurologia (GEEM), e as associações dos doentes e familiares, Associação Nacional Esclerose Múltipla (ANEM), Associação Todos com a Esclerose Múltipla (TEM), e Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), que desenvolveram #PARAvencerEM de forma a promover testemunhos de inúmeras personalidades que promovam o #EMpowerment da pessoa com E.M.

Alexandre Lourenço, Ana Paula Martins, Carlos Pereira Alves, Isabel Galriça Neto, João Cerqueira, Luís Loureiro, Maria Antónia Almeida Santos, Maria de Belém Roseira, Maria do Céu Machado, Maria João Martins, Miguel Guimarães, Paulo Almeida, Ricardo Baptista Leite, Susana Protásio são as personalidades que cederam testemunhos nos vídeos que já estão online.

Pretende com o resultado final, que a pessoa com Esclerose Múltipla se capacite e assuma um papel mais ativo na gestão da sua doença e se coloque efetivamente no centro das decisões.

A esclerose múltipla afeta mais de 8.000 pessoas em Portugal (Gisela Kobelt, 2009) e cerca de 2.500.000 pessoas em todo o mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde. trata-se de uma doença crónica e auto-imune, com efeitos nas capacidades físicas e neurológicas dos doentes, que tinge sobretudo os jovens, em particular as mulheres numa proporção de dois para um em relação aos homens. Quase dois quintos dos doentes precisam de ajuda de um amigo ou familiar, uma parte teve que mudar de trabalho ou reduzir horas para o fazer.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close