Diabetes um dia sem açúcar em família

Diabetes, um dia sem açúcar em família

82

A International Diabetes Federartion (IDF) comemora anualmente no dia 14 de novembro o Dia Mundial da Diabetes, um dia em que se chama a atenção para a Diabetes como afetando cerca de 500 milhões de pessoas em todo o mundo. É um dia como outros, mas especialmente dedicado à Diabetes e à comunidade mundial e também às pessoas com Diabetes.

Este ano, de novo, esta efeméride é dedicada ao tema “família e Diabetes”. Portugal não foge aos alertas, sobretudo sabendo-se que existem cerca de um milhão de portugueses com Diabetes conhecida e provavelmente mais de 500 mil pessoas que têm a doença e não sabem.

Promover a sensibilização da comunidade e dos políticos para a Diabetes é uma “obrigação” de todos aqueles que têm Diabetes e de todos os que à Diabetes se dedicam. Organizações científicas, médicos, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos, cuidadores, mas sobretudo pessoas com Diabetes e as suas associações. O envolvimento das famílias para a consciencialização de hábitos e formas de vida pouco saudáveis é, sem dúvida, uma forma de diminuir ou tentar diminuir o impacto social dos excessos que as sociedades praticam, sobretudo, mas não só, no mundo “desenvolvido”, sabendo-se também que em países menos desenvolvidos a Diabetes aumenta de dia para dia.

Envolver a família é uma das formas mais eficazes para diminuir o impacto da Diabetes na sociedade e no dia a dia das pessoas com a doença. O apoio as pessoas com Diabetes passa obviamente, em primeiro lugar, pela sua própria família, as suas atitudes e forma de estar no dia a dia, os seus hábitos alimentares e prática de formas de vida saudáveis, como seja o exercício físico, por muito pouco que seja.

Promover e eventualmente mudar hábitos tem início “dentro de casa”, de toda a família, de todos no mesmo agregado. A Diabetes diz respeito a todos e promover uma boa educação alimentar começa na educação familiar, sobretudo na prevenção. Tentar alterar hábitos desadequados na alimentação diária no mundo moderno é obrigação de todos, de forma a reduzir não só o impacto da Diabetes, principalmente no combate aos fatores de risco, que são evitáveis, na sua maioria.

A mudança tem início na família, modificando muitas vezes o seu próprio dia a dia e o seu estilo de vida. Por isso, a International Diabetes Federation escolheu para os anos 2018 e 2019 o tema “família e Diabetes”. Aí é possível e bem dar início a um estilo de vida mais saudável.

Em todo o mundo, e Portugal não foge à regra, muito se tem feito com programas e múltiplos alertas, mas infelizmente o panorama não se vem alterando. A responsabilidade é de todos, não podemos responsabilizar governos e governantes, sem antes promovermos no seio da sociedade a mudança de atitude. Ter consciência que uma em cada duas pessoas no mundo têm Diabetes e o não sabem requer profunda reflexão, mas sobretudo atitudes diferentes perante o dia a dia pouco saudável. O diagnostico e terapêutica da Diabetes compete sobretudo a profissionais de saúde, mas os alertas têm de estar ao alcance de todos e divulgados amplamente de forma a ser evitável a doença.

A prevalência da Diabetes, sobretudo a Diabetes tipo 2 é demasiado alta para ficarmos indiferentes, por isso o envolvimento coletivo é cada vez mais necessário. O preço para a sociedade é demasiado alto, quer no próprio diagnóstico, quer no tratamento, sendo o seu custo material muito elevado. Não há “orçamentos “que possam, nem devem suportar o que é evitável. A eficácia dos medicamentos para a Diabetes é cada vez maior, mas o seu preço também. Urge, portanto, colaborar em família e na sociedade para a prevenção e não só olhar para o tratamento.

Somos todos responsáveis, mas não podemos esquecer o envolvimento de responsáveis para um acesso mais equilibrado aos cuidados de saúde e aos meios mais modernos de tratamento da Diabetes e das pessoas com Diabetes. Em Portugal, múltiplas organizações científicas têm-se envolvido na promoção e mudança de atitude no dia a dia, assim como nos alertas para as terapêuticas mais avançadas. A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna e o Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus (NEDM) não podem deixar de mais uma vez alertar a sociedade em geral e os responsáveis políticos para a “pandemia Diabetes”.

Os especialistas de Medicina Interna e em especial aqueles que vivem o seu dia a dia com pessoas com Diabetes – diabetologistas, médicos hospitalares em especial, mas muito envolvidos na chamada “integração de cuidados”, são os primeiros a serem envolvidos no “drama Diabetes”. A hospitalização de pessoas com Diabetes é enorme em Portugal, sendo que cerca de 30 por cento dos doentes internados em Serviços de Medicina Interna em Portugal são diabéticos. Como tal, nós internistas sabemos bem o que temos e devemos fazer. A nossa responsabilidade é grande, mas também o é a nossa envolvência no apoio a diabéticos. Os Especialistas de Medicina Interna estão nos hospitais no dia a dia, mas também estão na sociedade, e estão altamente envolvidos nos cuidados a pessoas com Diabetes fora do âmbito hospitalar, em instituições públicas e privadas, e o seu envolvimento na problemática social é grande.

Não podemos também esquecer as organizações e associações de diabéticos, essenciais para a mudança, e que há muito têm contribuído para os alertas em Portugal. O associativismo e a participação coletiva são essenciais – todos seremos demasiado poucos para a mudança. Por isso a família deve ser o início. A nossa mensagem para o dia 14 de novembro de 2019 é; “Um dia sem açúcar em família”, ou pelo menos um esforço possível para a moderação nas atitudes de estilo de vida familiar, a “célula da sociedade”.

Estevão Pape
Internista e Coordenadora do NEDM

Sobre a SPMI

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) é uma associação científica, fundada em 1951. Tem como finalidade promover o desenvolvimento da Medicina Interna ao serviço da saúde da população portuguesa. Promove ainda a investigação e o estudo de problemas científicos, bem como a organização de atividades educacionais, no âmbito da formação contínua, dirigidas aos médicos e à população em geral, no campo da Medicina Interna. Para mais informações consulte https://www.spmi.pt/

Sobre o NEDM

O Núcleo de Estudos de Diabetes Mellitus (NEDM) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) centra a sua atuação na investigação, formação e consciencialização de profissionais de saúde e da população no âmbito da diabetologia. Este grupo é constituído por Internistas associados da SPMI.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close