DIÁLOGO ENTRE GOVERNO E OPOSIÇÃO EM MOÇAMBIQUE SEM FIM À VISTA, MAS, JÁ HÁ MORTOS…

282
Leopardo do Gilé

Leopardo do Gilé

No fim da sessão número 16 do “diálogo político”, o governo e o partido da oposição, Renamo voltaram a sair sem consenso, colocando definitivamente, fora de hipótese a possibilidade de mandar para a Assembleia da República, o produto final do diálogo. Com a continuação de pontos de vista diferenciados e com a sessão extraordinária da Assembleia da República (AR) a fechar esta quinta-feira dia 15 de Agosto de 2013, nada mais se pode esperar em relação a discussão e aprovação, pela AR, de uma nova lei eleitoral em resultado dos acordos não conseguidos no diálogo entre o governo e a Renamo.

Apesar desta situação e num discurso interpretado como sendo apenas de “recreação”, o ministro da agricultura e chefe da delegação governamental, José Pacheco insistiu no diálogo político e voltou a colocar a possibilidade de as partes poderem depositar o documento dos assuntos em discussão na AR entre a tarde de 14 de Agosto e a de 15 de Agosto. O que seria quase um autêntico milagre. É que na situação do actual impasse, o ministro e chefe da delegação no diálogo, disse aos jornalistas ter aconselhado a Renamo a avançar, assim mesmo, deixando a análise e decisão para a Assembleia da República.

De resto, a Renamo, desde o início do diálogo, negou esta ideia. A Renamo sempre defendeu que só fará o depósito do dossier em discussão depois de um acordo entre as partes. O acordo político significa necessariamente que o governo deve aceitar com dois pontos que a Renamo entende ser a essência das suas exigências. Ou seja, aceitar a paridade nos órgãos eleitorais.

“O governo entende que estão criadas condições para a remessa das propostas trazidas pela Renamo. Nesse sentido, o governo vai assinar um ofício propondo que a Renamo remeta a proposta à AR, ressalvando, no entanto, os pontos de vista do governo. Essa carta ainda vai ser assinada. Querendo, a Renamo pode assiná-la também e avançar com o documento. Caso não, vamos usar os canais próprios tendo em conta que o assunto deve ser remetido à AR. E usando as suas competências a AR vai analisar e decidir” – disse José Pacheco, pedindo a Renamo para avançar com a proposta.

Por seu turno, Saimone Macuiana, da delegação governamental classificou de completamente improdutiva a sessão (mais uma) que no dia 14 de Agosto teve lugar. Reiterou a necessidade de haver um acordo político para o avanço da proposta à AR. Assim, defendeu que, nas actuais condições não há como avançar.

Voltou, por outro lado, a colocar a solução do impasse na intervenção do Presidente da República tendo em conta, segundo entendimento da Renamo, as prerrogativas constitucionais que o Chefe de Estado tem para desbloquear o impasse do assunto em discussão.

E assim vai o chamado diálogo político entre o governo e Renamo saldando-se por um saldo francamente decepcionante para quem de fora assiste, o povão!

Citando Ruy Barbosa, político e escritor brasileiro, parece que:

“Toda a capacidade dos nossos estadistas se esvai na intriga, na astúcia, na cabala, na vingança, na inveja, na condescendência com o abuso, na salvação das aparências, no desleixo do futuro”.

Por: Leopardo do Gilé, algures em Moçambique
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close