Especialistas debatem a Saúde da Mulher em Portugal

Especialistas debatem a Saúde da Mulher em Portugal

410

Os desafios da Saúde da Mulher, vão ser debatidos no maior encontro nacional dos especialistas na área da Ginecologia e Obstetrícia, que se realiza de 1 a 4 de Junho, no Convento de São Francisco, em Coimbra.

Organizado pela Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e de Ginecologia (FSPOG), o Congresso da especialidade, tem por objetivo, criar um debate em torno das inovações na área, novas formas de abordagem, a apresentação de estudos e consensos entre os especialistas da área da saúde da mulher e debater como é que se consegue, solucionar o problema português ligado à natalidade.

Portugal é o segundo país da Europa com menor taxa de natalidade e continua a haver mais gente a morrer do que a nascer. O presidente da FSPOG, Daniel Pereira da Silva comenta “Esta é a dura realidade em que vivemos e existe a necessidade de se criarem mais e melhores condições para as famílias portuguesas para aumentar o seu agregado familiar. O governo tem responsabilidade para criar mais-valias económicas para que isto aconteça mas também a da responsabilidade da comunidade médica encontrar soluções para que os casais e as mulheres se sintam bem acompanhados.”

São cada vez mais as mães que têm filhos com 35 ou mais anos de idade sendo que se tratam de 35,5% dos casos em 2016. “Os dados divulgados recentemente mostram a necessidade de adaptação por parte das famílias portuguesas e da necessidade dos médicos se adaptarem a esta nova realidade de as mulheres serem mães cada vez mais tarde. Certamente que este contexto social trás novos desafios médicos relacionados com a fertilidade e outras questões relacionadas com comorbilidades e doenças que aumentam de prevalência com a idade. Os especialistas têm uma grande responsabilidade nos dias de hoje”, completa o presidente da Federação.

Este momento de reflexão dos especialistas sobre estes aspetos, envolve todas as sociedades científicas na área da saúde da mulher e discute temas sobre obstetrícia, ginecologia, reprodução e contraceção vão ser as principais áreas que contam com o debate de temáticas que cada vez mais afetam a saúde das mulheres como é o caso da oncofertilidade e a preservação da fertilidade, as patologias na mulher grávida, a gravidez gemelar, a obesidade e fertilidade, entre muitos outros assuntos.

Este é um dos encontros nacionais mais importantes que se realiza de 3 em 3 anos e reúne mais de 800 especialistas da área de ginecologia e obstetrícia e a representação de todas as sociedades científicas a nível nacional. A nível internacional conta com a presença de especialistas oriundos dos USA, UK, Espanha, Holanda, Israel, França, Alemanha e Bélgica.

Daniel Pereira da Silva sublinha que “Este tipo de iniciativas são fundamentais para a discussão das inovações na área e perceber melhor quais as principais alterações do contexto da saúde da mulher através da troca de experiências e da abordagem aos principais problemas e novidades com os quais os médicos se depararam nos últimos tempos. Na verdade, trata-se de delinear um caminho conjunto para o futuro.”

O 21º Congresso conta na sua sessão de abertura com a apresentação do livro “Medicina Materno Fetal, 5ª edição” e a atribuição do Prémio de Mérito Científico de Obstetrícia e Ginecologia 2017 a Carlos Ferreira de Oliveira, especialista que em muito contribui para um melhor conhecimento na área.

Durante este encontro, será apresentado o Consenso Nacional sobre os Miomas Uterinos, a patologia ginecológica mais comum do trato ginecológico feminino tendo em conta as evoluções na tecnologia e terapêutica médica. Os especialistas apresentarão também os dados mais recentes relativamente à evolução das taxas de cesariana em Portugal e as diferenças que se registaram nos últimos anos.

Sobre a Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e Ginecologia (FSPOG)

Em 2005, as Direções da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Ginecologia (SPOG), da Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG), da Sociedade Portuguesa de Medicina da Reprodução (SPMR) e a Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno Fetal (SPOMMM) criaram a Federação das associações da área da ginecologia e obstetrícia.

A criação da FSPOG resultou do reconhecimento da necessidade de manter um elo de unidade na promoção e defesa da saúde da mulher em vertentes médicas específicas, da necessidade de uma estrutura de coordenação superior das atividades e ações das sociedades afiliadas, da necessidade de fazer face aos novos desenvolvimentos e às atuais especificidades que competem às distintas sociedades e da vantagem de uma representação nacional integrada e concertada junto de organismos e entidades nacionais e internacionais.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close