Exposição “Titanic – A Reconstrução” no Exploratório

Exposição “Titanic – A Reconstrução” no Exploratório

613

A exposição “Titanic – A Reconstrução” que está patente no Exploratório, o Centro Ciência Viva de Coimbra, que mostra segredos do Titanic, ainda poder ser visitada este fim de semana.

Quem diria que um conjunto de talheres pode fazer a ligação direta de uma das grandes tragédias marítimas do século XX a Portugal, particularmente às cidades de Ílhavo, Figueira da Foz e Coimbra?

Reza a história que na primavera de 1912, um grupo de pescadores a bordo do lugre Trombetas, da Lusitânia, companhia da Figueira da Foz, pescaram das águas geladas dos mares do Norte uma cómoda que boiava próximo do lugar onde o Titanic tinha colidido com um iceberg, a 14 de abril. Com maior ou menor dificuldade, dependendo dos relatos, lá se conseguiu abrir as gavetas do móvel, descobrindo-se um conjunto de talheres marcados com a estrela da White Star Line, empresa a operar o Titanic.

Regressado a terra, o capitão deu conta do achado ao armador, na Figueira da Foz, que não terá dado grande importância ao assunto, aconselhando o capitão Frade [alcunha de João Francisco Grilo] a levá-los para Ílhavo, de onde era natural, ficando com alguns talheres e distribuindo os restantes por familiares e amigos.

Foi assim que Ana Maria Lopes, também natural de Ílhavo, herdou do avô – capitão Pisco – os talheres que, mais tarde, dariam origem à história “Os talheres mágicos do Titanic”, livro com texto de Paulo Trincão e ilustração de Cristina Sampaio, destinado aos mais jovens leitores, com base na história original contada ao agora diretor do Exploratório – Centro Ciência Viva de Coimbra na primeira pessoa.

Aconteceu, entretanto, que o Exploratório, primeiro em Cantanhede, na Expofacic, e depois em Coimbra, promoveu e apresentou a exposição “Titanic – A Reconstrução”, o que motivou o renascer da história dos talheres pescados nas águas geladas dos mares do norte por um navio pesqueiro português.

Tanto assim foi, que os “talheres mágicos”, a história e o livro da autoria de Paulo Trincão, deram origem a um conjunto de atividades a juntarem leitura e ciência para os mais novos. Mas também despertaram o interesse de Miguel Amaral, residente na Figueira da Foz e proprietário de mais um conjunto de talheres do Titanic, que recentemente visitou a exposição no Exploratório.

O facto é que a história destes talheres, que Miguel Amaral recebeu de uma de três irmãs suas amigas, filhas da família Pata, da Figueira da Foz, há perto de três décadas, é uma peça a encaixar na perfeição no puzzle destes “talheres mágicos”. Ficam algumas questões à procura de resposta: terá sido por desinteresse ou por receio das acusações de falha no socorro de algumas embarcações no local do trágico naufrágio que o armador português não valorizou o achado dos talheres? E quantos conjuntos de talheres do Titanic ainda poderão estar por identificar na posse de famílias, tanto em Ílhavo como na Figueira da Foz?

As respostas, espera-se, talvez possam ainda acontecer em capítulos próximos da exposição “Titanic – A Reconstrução”, no Exploratório até este domingo, mas que conta já com o interesse manifesto de outras cidades no país.

Quem ainda não viu, não pode perder a oportunidade de visitar a exposição e ficar a conhecer todos os segredos do Titanic, nestes dois últimos dias, sábado e domingo, 29 e 30 de dezembro, entre as 10h00 e as 18h00.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close