Festival do Contrabando liga Alcoutim e Sanlúcar do Guadiana

Festival do Contrabando liga Alcoutim e Sanlúcar do Guadiana

182

A segunda Edição do Festival do Contrabando volta a ligar Portugal e Espanha através da arte e de estórias outrora partilhadas

Depois dos milhares de visitantes na primeira edição, Alcoutim e Sanlúcar do Guadiana voltam a receber o Festival do Contrabando, agendado para os dias 23, 24 e 25 de março.

O Contrabandista

A realização deste festival integra-se numa estratégia de desenvolvimento turístico do concelho, assente na promoção do património natural, histórico, gastronómico e cultural, onde as vilas de Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana se “vestem” a rigor e proporcionaram aos visitantes um variado cartaz de eventos culturais, espetáculos de música, teatro, artes e ofícios tradicionais, arte circense, animação musical, personagens como os contrabandistas e guardas-fiscais a passear pelas ruas, workshops de ofícios tradicionais, Jornadas do Contrabando, Concurso de Fotografia ou ainda visita a monumentos da história da região e do contrabando e muita mais animação tendo sempre presente a beleza e imponência do Rio Guadiana.

O primeiro Festival do Contrabando, contou com uma ponte pedonal que ligou ineditamente as margens de Alcoutim a Sanlúcar do Guadiana, este ano, a travessia do Guadiana é novamente uma das propostas que o Festival apresenta aos visitantes.

Se por um lado se celebra a arte, a cultura, a gastronomia e o património natural partilhado por ambas as vilas, por outro a atividade ilícita do comércio é tido como o mote para a (re)criação de tempos idos, onde muitas são as estórias partilhadas de pessoas que atravessavam a nado o rio de modo a poderem sobreviver.

Se do lado de cá existia o Estado Novo, do lado de lá existia uma Guerra Civil entre Franquistas e Republicanos. É daqui que surge o ponto comum; as histórias do outro lado do rio em que tudo se assemelham às contadas através da língua de Camões.

Se a miséria e a fome aconteciam do outro lado da fronteira, em Portugal a falta de dinheiro era um problema. Com ordenados mensais que mal perfaziam um dia de lucro com o contrabando, desde logo foram muitos os que foram atraídos pela atividade.

Colocando em risco a sua vida e a dos familiares, os contrabandistas do Guadiana desejavam garantir a sua sobrevivência, comercializando café, ovos e bebidas alcoólicas em troca de miolo de amêndoa – um produto de qualidade e bastante caro em território lusitano -, o que lhes possibilitaria o dobro do investimento já feito.

Por outro existia a Guarda-fiscal que averiguava e penalizava as irregularidades detetadas, e criava postos de trabalho na região rural.

Organizado pela Câmara de Alcoutim em parceria com o Ayuntamiento Sanlúcar de Guadiana e com o apoio do Governo de Portugal, Turismo de Portugal, Região de Turismo do Algarve e 365 Algarve, o Festival do Contrabando vem recuperar essas memórias e reviver tempos idos que tão profundamente estão marcados na história do Concelho, das suas gentes e do Rio Guadiana.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close