Home | Crónica da Semana | Fogos Florestais: UME em Portugal, porquê?
Fogos Florestais: UME em Portugal, porquê?
UME - Unidad Militar de Emergencias /Espanha /Crd_img_cesurformacion

Fogos Florestais: UME em Portugal, porquê?

Nos últimos dias tenho lido nas redes sociais alguns comentários sobre a participação da UME (Unidade Militar de Emergência/Espanha) no apoio ás operações da ANPC em sequência dos diversos incêndios que têm ocorrido em Portugal.

Por outro lado, alguns amigos, em especial bombeiros, também têm trocado comigo algumas impressões sobre o assunto.

Há 2 anos escrevi um artigo sobre o Regimento de Apoio Militar de Emergencia (RAME) e na altura teci algumas considerações e também deixei algumas questões.

Passado este tempo e com a participação desta Unidade Espanhola nos nossos teatros de operações a pedido das autoridades portuguesas e em detrimento de outras organizações espanholas, ex: corpos de bombeiros e outros, que se disponibilizaram para apoiar, faz-me mais uma vez reflectir, analisar e colocar algumas questões.

Será que esta participação não terá como objectivo justificar o “RAME – Regimento de Apoio Militar de Emergência”?

Quem comandará esta unidade, certamente o General, já que temos muitos, e uma reorganização da ANPC tutelada pelo Exercito?

E quantas machadadas serão desta vez dadas aos bombeiros?

Se consultar-mos o site do Exercito o RAME existe, as operações em que têm participado ou mesmo o que fazem ou tem feito tem sido do domínio publico a ANPC, Exercito e o Governo parece que querem manter uma postura de “low-profile” sobre a unidade.

Quantos elementos com experiência e know-how serão afastados, como já foram, para dar lugar a outros actores e protagonistas?

É lamentável ver que a guerras entre bombeiros, que são as mesmas há anos e sempre com os mesmos protagonistas, estão a dar oportunidades ao poder político e não só para conseguirem os seus objectivos.

Analisando friamente tudo, esta situação e o que aí vêm já era expectável, todas as falhas, descoordenações e as lamentáveis mortes são a “cereja em cima do bolo” para muitos.

Esperemos que o RAME aposte não na prevenção, pois se continuar-mos a dar condições ao “inimigo” para o termos de combater, vamos então precisar de muitos generais e todos os seus subordinados, se assim for, será mais do mesmo…

Armando Pereira

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close