FRELIMO ABANOU NAS ELEIÇÕES

303
Leopardo do Gilé

Leopardo do Gilé

Os resultados parciais das eleições autárquicas realizadas em Moçambique, em 52 autarquias (escrutínio de Nampula foi anulado, devido a claras irregularidades) indicam que a Frelimo levou um valente abanão desde a independência deste país pelo MDM (Movimento Democrático Moçambicano) na maioria dos municípios.

Dados disponíveis indicam que a Frelimo venceu as eleições em causa em toda a região Sul de Moçambique. Contudo o MDM logrou manter as presidências dos municípios da Beira e de Quelimane, onde, pela primeira vez vai, igualmente dominar as respectivas assembleias municipais.

Na maioria dos restantes municípios do país a Freli­mo ganhou as respectivas presidências mas perdeu largamente assentos nas assembleias municipais a favor do Movimento Democrático de Moçambique, que logrou ganhos que nem a Renamo alguma vez conseguiu.

Tomando como exemplo a cidade de Maputo e Matola onde os eleitores da capital moçambicana deram um sério aviso ao partido no poder (a Frelimo), mostrando que a queda do maior município do país para a oposição política não é algo longe do horizonte. Dados do escrutínio de quarta-feira no município de Maputo, demonstraram que o nível de popularidade do partido no poder está em queda acentuada e nas municipais deste ano, pode ter sido salvo pelos eleitores dos bairros da periferia e pela abstenção, prevendo-se níveis acima dos 50%.

Os dados oficiais divulgados na sexta-feira, 22/11, quando estavam processados cerca de 55% dos votos, o candidato da Frelimo, David Simango, ia na frente da contagem, com aproximadamente 20% de diferença com o seu rival, o estreante Venâncio Mondlane da MDM.

De uma avaliação, ainda preliminar, constata-se que os votos de Simango foram maioritariamente conseguidos nos bairros periféficos como Maxaquene, Polana Caniço, Mavalane, Urbanização, Chamanculo e Catembe (zonas mais pobres), enquanto no centro da cidade, as opções foram mais equilibradas para o estreante Mondlane, que concorre pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM).

Tal como em Maputo, a Frelimo passou também por um susto no município da Matola, onde Silvério Ronguane, candidato do MDM, bateu-se a par e passo com o seu rival da Frelimo, Calisto Cossa.

Quando estavam contabilizados 72% dos votos, Cossa tinha conquistado 55% do total dos votos apurados, contra 43% de Ronguane e menos de um por cento de João Massango, do partido Ecologista.

Em meios habilitados valorizam-se, entre os factores que favoreceram o MDM nesta empreitada, os seguintes:

O discurso sereno que cultivou na campanha tendente a cativar apoios de um eleitorado intranquilo face à crise político-militar;
Terá captado o voto de parte do eleitorado da Rena­mo que se auto-excluiu da competição, em divergência com a composição dos órgãos eleitorais, o MDM é visto em sectores do referido eleitorado como um “Filho da Renamo”, algo que o MDM, procura distanciar-se;
O MDM revelou mais apurada capacidade de organização que a notada em eleições anteriores – à excepção do caso da Matola, o facto é associado a apoios materiais e técnicos mais vastos com que contou da parte de países nórdicos da Euro­pa e de meios nos EUA, que também lhe dão amparo político;
A popularidade do partido Frelimo foi afectada pela presente crise político-militar e por episódios da campanha eleitoral, tais como os incidentes na Beira e de Mocuba e Quelimane, instintivamente associados a manifestações de intolerância.

Estas eleições mostraram e demonstraram que Moçambique pode e quer seguir um novo rumo na sua política. Espera-se que a Frelimo, analise bem os resultados dessas eleições, não esquecendo que para o ano vão acontecer as eleições presidenciais.

No âmbito geral estas eleições foram de uma certa forma mais tranquilas do que se esperava, contudo estão longe de terem sido justas e plenamente livres.

Por: Leopardo do Gilé, algures em Moçambique
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close