A Glosa do Tacho

399
J.Antunes de Sousa

J.Antunes de Sousa

Antigamente eram de barro, agora são quase todos de inox – muito mais refinados e sofisticados, para não deixar restos do refogado agarrados ao fundo. Os tachos de agora são, para nossa arrelia e desconsolo, mais bem poços sem fundo, autênticos sorvedouros dos recursos que se suporia destinados a providenciar à panela da sobrevivência de cada um. E a propósito de fundo do tacho, eis que virou moda converter alguns desses tachos em “fundos” para que, assim, alguns, uns tantos e os mesmos de sempre, possam rapar o fundo sem deixar rasto ou suspeita.

Veja-se o que se está a passar no inefável mundo da bola: o Benfica, por exemplo, acaba de vender dois dos seus jogadores a um exótico e misterioso Fundo em cujos desígnios comerciais se afundam as expectativas dos sócios e adeptos, para não falar na sinuosa e indecifrável relação laboral desses jogadores: de quem dependem agora? Do treinador? Do presidente do clube que os vendeu? De um rosto fantasmático de um títere internacional que investiu no dito fundo? Eis a mais recente e grave machadada no futebol: são os famigerados mercados a mercantilizar a alma e o talento, tudo o que ainda e porventura restava, dos principais actores – os futebolistas. E assim se acaba de desumanizar uma actividade que já pouco de humano vinha tendo, ao mesmo tempo que se abre espaço para todo o tipo de engenhosas e imaginativas jogadas financeiras! E tudo isto enquanto os protagonistas institucionais, os clubes, definham e secam à míngua.

Mas, enquanto se criam por aí fundos para aparar as jogadas fora das quatro linhas, o Estado fez uma outra jogada: acabar com os fundos de pensões que, em devido tempo, foram constituídos para garantir um complemento de pensão a quem mais dele se imaginara precisado.

O Estado espreitou (espreitar é o jeito particular e feio do larápio reles!) lá para o fundo e disse para consigo: aí está mais um “fundo” que podemos rapar até nada no fundo deixar – e com esses restos bem rapados, é mais uma assalto ao pouco que restava!

Vejamos: num país de tachos, o que não falta é taxas, sendo certo, porém, que taxa não é bem o feminino de tacho, mas antes uma espécie de colher de pau, esse instrumento de culinária também usado numa certa violência doméstica e, pelos vistos, agora, também universitária, com que o Estado se aplica a rapar os ditos tachos – não os de alguns, gordos e anafados, e que engordaram precisamente à custa dos tachos que o Estado generosamente lhes ofereceu, mas os tachos de migas dos pobres desgraçados que passaram toda uma vida a rapar privações, se não mesmo fome, para poupar umas míseras côdeas para um sustento numa velhice de espondilose e artroses e que, agora, esse Estado, sempre tão folgazão em tachadas de padrinhos e compadres, tão avara e desavergonhadamente vem rapando.

O que mais impressiona neste Estado é mesmo esta sua condição vampiresca: sempre à coca de uma pinga de sangue que possa ainda sugar!

Num país de tachos e encarnando zelosamente a pequenez do pilha-galinhas, que caracteriza o chicoespertismo de uma gente invejosa, este nosso Estado, que é sobretudo o estado a que isto chegou, especializou-se na expedita tarefa de rapá-los. Sim, a característica mais notória da sua condição selvagem, é, de facto, a rapacidade – a mesma que tornou famoso o necrófilo comportamento dos abutres!

Esta voracidade glandular do Estado é o oposto da temperança que o deveria impor ao respeito e consideração dos cidadãos – ele exibe a psicologia daquele velho merceeiro da Fuzeta, de lápis atrás da orelha (este Estado só tem orelhas, não tem ouvidos!): não a estratégia, não a previsão, não a vista de longo alcance, mas a conta certa, com prova dos nove e tudo, para o quilo de massa ou arroz que é o que está a fazer falta para iludir o estômago em fugaz almoço. Facturar nem que seja só qualquer coisinha… mesmo que seja rapando uns cobres no “luxo” de uns tipos de bata branca que se entretêm a fazer experiências em tubos de ensaio e a andar por aí a mostrar que, num país assim, há quem possa ombrear com os melhores de lá de fora.

Ora, com mentalidade assim, tão míope e tacanha, admira lá que nem o Joan Miró escape? Quantos Estados se empenhariam, sem hesitar, em guardar como acervo colectivo um conjunto tão precioso, um tão impressivo documento do modernismo, um tão valioso e intemporal legado do pintor catalão?!

E o que fez este nosso Estado, meus amigos? Correu, primeiro, a repor no BPN os incontáveis milhões que uns tantos tachistas raparam com a desenvoltura de abutres esfomeados e, agora, para facturar umas dezenas de milhões, vai, a correr, desfazer-se de um património da Humanidade, de um valor culturalmente incalculável, dando, assim, mostras de uma patibular boçalidade, só travada in extremis por algumas vozes do bom senso e do pudor e a que se juntou, imaginem, a própria leiloeira.

É bem certo: a vista de longo alcance do abutre só dá para avistar e devorar a presa morta.

E eis outra característica deste Estado: só bate em quem se não pode defender. Até porque a maioria dos que quer ver mortos já vivos não estão – que a este arremedo de vida já vida se não pode chamar. Eles vagueiam, de olhos vazios de futuro, por este jardim de sombras em que o país se tornou.

Enquanto isso, o abutre vai continuar nesta sua fúria de rapa-tachos… tudo, porém, menos taxar os grandes tachos! Não, que isso faria perigar o tacho do poder!

Por: José Antunes de Sousa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close