ILUSÕES PRECISAS

177
Daniela Simplicio

Daniela Simplicio

Já cheira a Natal, não sentem? Como eu gosto disto! E não falo daquilo que representa, nem daquilo que incute.

Porque, primeiramente, não sou cristã, aliás, não tenho qualquer crença religiosa. E em segundo lugar, porque penso ser, mais uma das nossas infinitas invenções, sempre voltadas para o consumismo, em que une forçosamente os parentes (forçosamente amados), conhecidos e em alguns casos, também os que não conhecemos, para “encher o bucho”, dez vezes mais do que o dito normal, como se não houvesse amanhã. Mas o problema, é que o amanhã existe sempre…quando não o queremos! Doravante, presenteamo-nos, com coisas de que não precisamos, com dinheiro (inexistente) de que precisamos e depois, vamos todos para os respetivos aposentos, irritados com toda a exorbitância gasta. E atenção, todo este exercício é feito, ininterruptamente, a comer. No dia seguinte levantamo-nos, ainda fatigados, para nos dirigirmos então para o almoço de 25, e talvez jantar, desse mesmo dia. E, talvez ainda, continuemos a comer durante a semana que se segue, devido aos chamados “restos”, excedente este intencional. Resultado? Sem resultado. Pois continuamos, com um outro evento festivo importantíssimo! A passagem de mais um ano, para outro igual. É raro ser diferente!

Natal? Uma espécie de pedagogia materialista, e de união. Réveillon? Uma espécie de pedagogia materialista, e de esperança. Como em tudo na vida, há sempre dois lados de um mesmo assunto. Temos aptidão para escolher sempre o errado!

De resto, e do que realmente gosto, é do belíssimo aconchego sentido pelas ruas, neste caso, destacando as de Lisboa, com quem eu mais tenho convivido, devido à tão visível decoração e iluminação, esta última que nos enche a alma. Acrescentando, a brisa gélida conjugada com os tão caraterísticos aromas, ficamos com o pacote completo. Pelo menos é nisso, que queremos acreditar.

Mas enganamo-nos! Uma vez mais! Repetimos o erro! Erro esse que idolatramos!

A miséria espalhada no exterior mantém-se, a degradação do nosso interior contínua. Porque não passa tudo, de um par de semanas ilusórias, de que os donos do país tanto devem amar. A economia cresce, as pessoas perdoam. Depois percebemos que é mais um parente de sazonalidade, e a ira volta. E lá vamos nós outra vez…2014!

O que poderei eu concluir? Que ilusões como estas, também são precisas!

Por: Daniela Simplício

Partilhe:




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close