Lançado o primeiro autoteste de deteção do VIH

Lançado o primeiro autoteste de deteção do VIH

175

Já foi lançado em Portugal, o primeiro autoteste para a deteção do Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH). Este teste de venda nas Farmácias sem receita médica, pode ser realizado de forma autónoma e anónima, o que representa um contributo importante para a deteção e futura erradicação do VIH.

Para Jão Madeira, o Diretor Geral da Mylan Portugal, o laboratório que lançou o teste “o autotest VIH® é um contributo importante no nosso compromisso com o alcance das metas 95-95-95 do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre VIH e SIDA (ONUSIDA). A deteção atempada é o primeiro passo para mitigar novas infeções, pois um indivíduo infetado tende a tomar precauções acrescidas, a procurar ou aceitar o tratamento, e um tratamento iniciado atempadamente permite reduzir o número de novas infeções, mortes prematuras evitáveis, e tudo isto é o caminho para o objetivo da erradicação do VIH, o qual também faz parte da nossa missão”.

Este lançamento surge na sequência da alteração do quadro legislativo nacional em 2018, acompanhando as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS/ONUSIDA), e a realidade de muitos países, permitindo a dispensa em farmácias comunitárias de autotestes para rastreio da infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH). Os autotestes poderão vir a estar disponíveis online através dos websites de cada farmácia.

Feito a partir de uma gota de sangue retirada do dedo, o autoteste VIH® baseia-se numa análise que deteta os anticorpos no sangue humano produzidos após infeção pelo VIH. O teste é fácil de efetuar e de interpretar, e apresenta o resultado em 15 minutos. O autoteste VIH® é 100% fiável para a deteção de uma infeção VIH que tenha ocorrido há 3 meses.

De acordo com o último relatório da Direção Geral de Saúde, Portugal está entre os países da União Europeia com mais casos de diagnósticos tardios de infeção por VIH – mais de 50% – com particular relevância nos heterossexuais. E segundo um estudo publicado na revista “The Lancet Public Health 2017”, 76% das mortes associadas ao VIH ocorreram em doentes com um diagnóstico tardio. De acordo com a OMS, o tratamento eficaz do VIH impede a progressão da infeção para SIDA (Síndroma de Imunodeficiência Adquirida), possibilitando uma esperança média de vida equivalente à de uma pessoa não infetada, e contribui para a erradicação da doença ao ajudar a garantir que não existe a transmissão do vírus a terceiros.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close