BASTONÁRIO DA OTOC AFIRMA QUE, “ISTO NÃO É A SÉRIO… O QUE ANDA O GOVERNO A FAZER?”

440

O bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, Domingues Azevedo, assumiu nesta quinta-feira, que os “amigos” do Governo é que podem ser os grandes beneficiários com o novo pacote de incentivos fiscais ao investimento e da reforma do IRC.

“Da forma como isto está, e com toda a sinceridade, temo mesmo que a medida não atinja os efeitos pretendidos e, mais grave, que seja uma maneira de distribuir a alguns amigos alguns milhões de euros”.

O Crédito Fiscal Extraordinário, a principal medida do pacote de investimento anunciado pelo Governo a semana passada, vai permitir às empresas deduzir à colecta de IRC parte das despesas de investimento elegíveis.

“Temo que se esteja a arranjar aqui um negócio financeiro para alguns grupos económicos e que a medida não tenha um efeito directo e concreto na economia”, ressalvando que a medida “até é boa, ou de boa intenção”, mas que “não vale a pena” criar sistemas de apoio a empresas que não têm a quem vender os produtos.

Na opinião do bastonário, o pacote só pode ser eficaz se acompanhado de outras medidas que fomentem o consumo, como uma baixa do IVA para diminuir os preços ao consumidor ou uma redução das taxas de IRS que aumentem os rendimentos das famílias.

O investimento também é um problema neste momento, segundo o bastonário; “Para investir é preciso ter dinheiro. Se temos um sistema bancário que está a travar o investimento e uma expectativa de não ter mercado para vender, as empresas vão investir para quê?”.

A reforma do IRC, que está a ser estudada por uma comissão, também é desvalorizada pelo bastonário, que lembra que o imposto é pago por menos de 30% das empresas que entregam a declaração em Portugal.

“A reforma do IRC não interessa à maioria do tecido empresarial português, mas apenas aos grandes grupos económicos. Estes vão ser 90% dos beneficiários e as pequenas e médias empresas 10%”, Domingues Azevedo, critica ainda os “avanços e recuos” do Governo com este imposto.

Quando o actual Governo entrou em funções estava em vigor uma taxa de IRC de 12,5% para as empresas com lucros até 12.500 euros, independentemente da dimensão, e de 25% para as que excedessem esse rendimento.

“Este Governo de imediato anulou esta disposição. Quando vêm agora falar na diminuição da taxa, pergunto se é a sério. Então se anulou a outra, que se aplicava a quase 97 % do tecido empresarial, vem agora falar da diminuição da taxa em vigor. Então o que fez até agora?”, questionou o bastonário.

(In Agência Lusa)

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close