O VÓRTICE POLAR

414
J.Antunes de Sousa

J.Antunes de Sousa

Não é bem a morte solitária, ultimamente tão publicitada, que causa impressão nestes casos – afinal morrer é o acto supremamente solitário. O que choca, ou que deveria chocar, é que, neste nosso tempo das redes sociais (do facebook e do twitter), neste tempo que se auto-intitula o tempo da comunicação por excelência, haja tanta gente e cada vez mais, dramaticamente mais, a viver na mais gélida e tumular solidão.

Não é, pois, o estar só na morte que nos interpela – que aí estaremos inexoravelmente sós todos, mas que a Vida, essa sim, eminentemente comunhão e partilha, haja tanta gente a vivê-la mergulhada num pétreo silêncio, ou, melhor, num criminoso silenciamento que esta sociedade, ululante e inadvertida, lhe impõe.
As muralhas de desumanidade silenciosa que desenham uma cintura de ausência e de morte à volta das nossas grandes cidades são, em certa medida, os monumentos modernos ao nosso insistente e trágico olvido do ser.

Sob este nosso olhar, desabituado de ver, erguem-se montanhas cinzentas de cimento armado cuja característica fundamental é a sua deformante uniformidade de formas – janelas à esquadria por onde espreitam olhares vazios, sem amanhã.

Homens e mulheres, tantos, sobreviventes, pouco mais que vegetativos, de uma vida que, qual medonha refrega, os reduziu a esquálidos escombros do humano – tantas casas sem uma fresta de sol e em que se arrastam sombras bisonhas de pessoas que esta cruel sociedade trucidou sem dó nem piedade. Sim, há tanta gente a morrer antes, muito antes mesmo, de que um qualquer delegado sanitário lhes declare a morte oficial! Este, sim, o verdadeiro vórtice polar!

Como aquela senhora da Rinchoa – ela já morrera antes, se calhar, muito antes, de ter deixado de pagar o imposto municipal. Por isso é que tão pouca gente deu por falta dela. Há muito que ela deixara de constar na lista de «activos» dos serviços públicos.

E o facto de se ter literalmente evaporado, secado, sem exalar mau cheiro, é bem a metáfora de uma existência sem rasto – ela sumiu-se sem incomodar ninguém, até porque ninguém está para se incomodar, como demonstra a suprema frieza e crueldade deste governo que se empenha a fazer umas irrisórias cócegas aos mais ricos com a mesma desenvoltura técnica com que se entretém a aplicar um soco na nuca dos mais pobres e desvalidos, para a seguir os esfolar, como se faz aos coelhos. E eis a suprema ironia –  que seja Coelho o esfolador! Sim, sob o imaculado pretexto da solidariedade, sacrificam-se aqueles que dela mais necessitados estão.

E, nesta indiferença perante o outro que nos deveria interpelar, é, afinal, a própria sociedade que, tomada de um estranho torpor colectivo, caminha festivamente para o precipício – cada vez mais iminente.

Infelizmente nem os abalos causados pela actual crise financeira e social têm sido suficientes para promover um ápice de lucidez no coração das actuais lideranças, cá dentro e lá fora, que teimam em persistir na lógica desumanizante deste paradigma – o da esfola.

O mais certo é que acabem por vir do ventre do próprio planeta as trágicas razões que, em sangue, nos convertam ao bom caminho, no suposto auspicioso de que possa haver ainda caminho. E de que são indícios inquietantes as recentes investidas devastadoras do mar e do que mais adiante se verá, porque «Deus perdoa sempre, os homens às vezes, mas a Natureza nunca».
É, sem dúvida, crucial esta «hora nocturna» que nos coube viver.

E o vórtice que se alevantou da Tunísia, varreu o Egipto e, em alterosa galopada, está literalmente a dizimar a Síria, não me admiraria que fosse apenas o anúncio do vendaval planetário que aí vem.

Há, de facto, tantos avisos a gritarem para que paremos para tomar atenção àquilo que nos é realmente essencial – que é de atenção, mais que nada, este nosso trágico défice.
Temo, porém, que seja tarde de mais quando finalmente nos dispusermos a reparar – porque já não haverá então reparação possível.

Há, em qualquer caso, uma luz de esperança que a história da própria vida no planeta nos sugere: a todas as grandes destruições sobreveio sempre um estádio novo e superior na escala da vida e da consciência.

E aqui justamente o nosso drama: que só ganhemos juízo depois de racharmos a cabeça!

Por: José Antunes de Sousa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close