PASSAS, PASSOS E DESEJOS…

374

1. Passas

Ernani Balsa

Ernani Balsa

Reza a tradição que na noite de passagem do ano, ao soar das doze badaladas, se suba para um banco e se comam passas e formulem desejos para o novo ano que chega. A fórmula não sei se resulta, mas em maré de se acreditar até mesmo nas coisas que não resultam, e dado o apego popular às tradições, mesmo as mais improváveis, muita gente seguirá este ritual. Preso à minha incredulidade quanto à eficácia destes gestos simbólicos, continuo céptico quanto à possibilidade de virmos a ter boas previsões por via das passas. E por via do outro, muito menos…

Passas, recorda-me também aquele dito tradicional de “passar as passas do Algarve…” e esse afigura-se-me muito mais actual. O significado metafórico dessa expressão remete-me para tudo aquilo que temos sofrido neste nosso país intervencionado pela teia insalubre de interesses financeiros e políticos, com a ajuda e conluio daqueles que o povo português terá escolhido, embalado por uma canção de embalar que se transformou em pesadelo, para trazer melhores dias a todos nós. Vã esperança e falsa promessa.

A confiança que as pessoas normalmente depositam nos políticos reside na necessidade de atribuírem a outros, que julgam mais capazes e sérios, a honrosa tarefa de servirem o país e contribuírem para o progresso e bem estar dos portugueses, bem assim como responder aos desafios e mesmo às dificuldades que surjam, mantendo sempre uma atitude responsável e honesta. Acima de tudo respeitarem os compromissos assumidos e saberem interpretar as mais básicas necessidades do povo. Não o desiludir nem contribuir para o seu empobrecimento.

A confiança é o mais sólido alicerce para a esperança se poder tornar em realidade. Para que os sonhos se transformem em futuro e para que a compreensão mútua fortaleça os desígnios da nação. Não reconhecer e não cumprir com estes princípios basilares entre povo e governo, é não entender o que deve ser um país ou então agir despudoradamente, com dolo e desrespeito, em nome de outros interesses, que não o fortalecimento da nação que dizem respeitar e querer defender e pela qual juraram esses propósitos, em nome da Constituição da República. A confiança é um cristal, frágil e límpido na sua pureza, que consagra um inquebrantável contracto entre duas partes e quando um qualquer gesto mais rude o estilhaça, é todo o equilíbrio que havia entre as partes que se despedaça também.

2. Passos
Passos é hoje um nome e uma palavra azeda e maldita. Uma metáfora, ela também, de algo ou de alguém que nos menospreza em nome de convicções ou dogmas alheios a qualquer conceito de humanismo, de fraternidade e respeito pelo seu próximo. Passos não tem lugar, no Portugal de hoje, na hospitalidade tão comum ao povo português. Soa a falso, a hipocrisia e mesmo a repulsa. Por isso, passo!

3. Desejos
Neste contexto de país intervencionado por interesses estrangeiros, vergonhosamente representados, a nível interno, por portugueses de estirpe duvidosa e antipatriótica, que traçaram como propósito o fortalecimento e enriquecimento duma casta poderosa e já rica, à custa da manutenção da pobreza já existente e ao definitivo empobrecimento duma classe média, espinha dorsal de qualquer sociedade, é-nos ainda legítimo sonhar e desejar, só porque ainda não conseguiram o controlo total das nossas mentes e da nossa mais profunda determinação de sermos livres.

Grande parte da população não alcançou ainda a verdadeira dimensão do mal que nos estão a fazer. Não é só esse empobrecimento que uns vão sentindo mais do que outros, esse constante espezinhar da esperança e ainda de alguma crença no futuro, essa metódica e fria ameaça de que a austeridade veio para ficar, como um estigma que a todos nos cobre e fará parte do futuro incerto de cada um de nós. O que eles querem é que nos reinventemos em pobres remediados e pobres já sem remédio, para que aqueles que detêm o poder económico e não tanto o político, possam dominar-nos pela força da fome e da necessidade de nos mantermos, pelo menos, vivos. E vivos, só aqueles que podem produzir, caminhando-se para o desejável e progressivo extermínio de todos os outros que já nada ajudam na produção e apenas pesam nessa coisa estranhíssima, para eles, que é o estado social.

Olhando para o futuro a médio prazo, é bom que nos capacitemos que hoje, aqueles que na casa do quarenta ou cinquenta anos e mesmo talvez menos, já engrossam a turba dos desempregados, jamais voltarão a trabalhar e por conseguinte nunca mais serão englobados no mercado de trabalho, aquele que os novos senhores do mundo proclamaram ser o único a existir, por pura necessidade, para além dos outros, os templos e areópagos da mais vergonhosa produção do dinheiro, os mercados financeiros.

Este, terá sido até hoje, na história moderna, o mais rebuscado e maquiavélico programa de exterminação da procura do bem-estar social para toda uma população. Já outros houve, mas em figurino de guerras, de conflito bélico declarado que todos conhecemos. Este é diferente, é um extermínio pelo cansaço, pela desesperança, por um “downgrade”, como agora se diz nas esferas do poder tecnocrata, da condição humana e social, uma verdadeira cisão da humanidade, entre servos descartáveis e senhores feudais de uma modernidade sem sentido humano.

Por isso, o desejo, enquanto impulsionador do futuro é um bem precioso que temos de preservar a todo o custo para não perecermos vencidos pelo desânimo. Desejo, vontade, determinação e convicção, são palavras e actos fulcrais para não nos deixarmos vencer nesta guerra. Porque de guerra se trata. Uma guerra dissimulada e travestida de reorganização e ajustamento. As palavras são hoje em dia recalculadas e arredondadas para lhes retirar o sentido real que encerram e por isso não nos podemos deixar vencer, nem por palavras nem actos.

Desejemos pois, todos em uníssono, o futuro a que temos direito. Em 2014 e sempre!…

Por: Ernani Balsa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:




One thought on “PASSAS, PASSOS E DESEJOS…

  1. Vital Verissimo

    Gosto imenso do que ficou dito. É, em meu entender, bem verdadeiro.Pena é que se não vislumbre uma saída para isto.Os actuais líderes-políticos ,partidos, empresários etc – não merecem confiança, é verdade,mas então que fazer?

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close