Projeções do BP anunciam a recuperação da atividade económica!

270

As últimas projeções publicadas pelo Banco de Portugal apontam para uma recuperação da atividade económica entre 2014 e 2016. Segundo o Boletim Económico de junho de 2014, a evolução prevista para a economia nacional reflete uma progressiva recuperação da procura interna, assim como um robusto das exportações.

Durante 2014 a taxa de crescimento média anual do PIB deverá atingir os 1,1%, aumentando para 1,5% em 2015 e 1,7% em 2016.

Desta forma, durante este período a economia portuguesa, deverá apresentar uma evolução semelhante à que está projetada1 para a zona euro (1,0% em 2014; 1,7% em 2015; e 1,8% em 2016).

Relativamente à inflação, prevê-se uma relativa estabilização do indicador em 2014 nos 0,2%, seguida de um aumento progressivo até aos 1,1% em 2016. Após uma quebra significativa no período
2011-2013, as projeções apontam para uma recuperação moderada do consumo privado ao longo do horizonte em análise.

Por outro lado, o consumo público deverá continuar em contração até 2015, registando um crescimento marginal em 2016. Finalmente, perspetiva-se uma contínua correção da taxa de desemprego, a qual se deverá situar nos 15,1% em 2014.

As previsões do Banco de Portugal referidas neste documento são datadas de junho de 2014, mas incluem dados reis da economia apenas até março de 2014.

Este facto, bem como o desempenho abaixo do esperado por parte de algumas economias da zona euro, nomeadamente da economia alemã e ainda a crise do Grupo Espirito Santo, levantam algumas dúvidas quanto à concretização das previsões de crescimento para Portugal. No entanto, os fatores potencialmente desestabilizadores para a economia portuguesa são maioritariamente externos, e estão ainda por confirmar.

A favor de Portugal está o evidente aumento de interesse por parte dos investidores estrangeiros no nosso país, a criação real de emprego e a recuperação das contas da balança comercial que, ainda que ligeiramente atenuada no princípio do ano, confirma uma aposta bem sucedida do nosso setor empresarial nas exportações.

A recuperação do mercado de retalho iniciada no final de 2013 manteve-se ao longo do primeiro semestre de 2014, com uma melhoria do sentimento de confiança quer dos consumidores, quer dos retalhistas.

Não obstante, a procura é ainda maioritariamente focada nas localizações prime de centros comerciais e comércio de rua.

Este último setor é aquele que continua a apresentar o melhor desempenho do mercado, particularmente nas principais artérias de Lisboa, Av. da Liberdade, Baixa e Chiado e a zona dos
Clérigos no Porto.

Apesar de, ao longo do primeiro semestre de 2014, o índice de volume de negócios no comércio a retalho, se ter mantido ainda a níveis abaixo de 2010, verificou-se uma estabilidade neste
indicador. Excetuando abril, em todos os restantes meses o índice registou valores superiores ao período homólogo do ano anterior, estando em junho deste ano nos 86,1, um valor em linha com a média anual de 2013.

A evolução do índice alimentar foi mais volátil, tendo atingido em junho os 91,8, abaixo da média de 2013 (93,1). Relativamente ao índice de produtos não alimentares, e invertendo a tendência de quebra dos últimos anos, este foi o principal responsável pela evolução positiva do índice global, e em junho situou-se nos 81,3, acima da média do ano anterior (80,5).

Fonte: Cushman & Wakefield

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close