Relançada a coleção Plural criada por Vasco Graça Moura

Relançada a coleção Plural criada por Vasco Graça Moura

314

A coleção Plural, criada por Vasco Graça Moura na década de 1980, vai ser relançada, segundo o anúncio feito na passada quinta-feira gurante a cerimónia de apresentação de ‘história do século vinte’, de José Gardeazabal, distinguido na primeira edição do Prémio INCM/Vasco Graça Moura e a primeira obra publicada na renovada coleção.

José Gardeazabal é natural de Lisboa, estudou e viveu em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles. Escreve ficção, teatro e poesia, entre outros géneros.

Na apresentação do livro José Tolentino Mendonça, presidente do júri do Prémio, afirmou que a obra distinguida «é a revelação de um grande autor, uma voz que traz à literatura portuguesa uma força, um modo de ver e um novo olhar sobre a realidade, e que fez desta obra a escolha evidente».

‘História do século vinte’ constitui «uma cartografia do próprio tempo, um olhar filosófico» sobre a realidade que colhe o nó da questão do século XX, «é uma antiepopeia, um louvor não lírico, quase cirúrgico, que não deixará nenhum leitor indiferente. É um livro que dá um prémio ao seu autor, José Gardeazabal, mas também à poesia portuguesa do nosso tempo.»

Na sua primeira fase, a coleção Plural acolheu obras de então promissores escritores, hoje confirmados autores. Dirigida atualmente pelo biólogo, poeta e editor Jorge Reis-Sá, a Plural renasce como espaço dedicado à poesia do grande universo da língua portuguesa, espaço de liberdade, de literatura, de pluralidade — homenageando o seu criador Vasco Graça Moura, «o editor memorável», como lhe chamou A. Mega Ferreira.

O objetivo da nova Plural é publicar as obras de poesia distinguidas no âmbito do Prémio e outras obras de indubitável qualidade, que não encontraram ainda a justa oportunidade de publicação ou que são de acesso difícil para o público português.

‘História do século vinte’ vem estrear a nova coleção Plural, iniciada em 1982 por Vasco Graça Moura. Jorge Reis-Sá, diretor editorial da coleção, relembrou que a Plural vai prosseguir com a poesia de Mário Dionísio, José Henrique Santos Barros, Vasco Gato, e ainda de Alexandre Sarrazola, cuja obra Fade Out — distinguida pelo júri do Prémio com uma menção honrosa, tem o lançamento marcado já para dia 29 de abril, na Biblioteca da Imprensa Nacional.

Para Jorge Reis-Sá «A INCM quer continuar com coleção Plural. A INCM quer continuar a publicar poesia. Quer continuar a acreditar e a persistir na poesia».

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close