Suicídio - tragédia que afeta família e comunidade

Suicídio – tragédia que afeta família e comunidade

269

Dia Mundial da Prevenção do Suicídio assinalou-se no passado sábado, 10 de setembro. Todos os anos mais de 800 mil pessoas, põem termo à vida e um número muito superior faz tentativas de suicídio.

O suicídio é uma tragédia que afeta a família e a comunidade, com efeitos a longo prazo em quem vive de perto com esta realidade. O suicídio surge em qualquer faixa etária sendo a segunda causa de morte entre 15 e os 29 anos, apenas ultrapassada pelos acidentes rodoviários.

De acordo com Ana Peixinho, coordenadora da Unidade de Psiquiatria e Psicologia do Hospital Lusíadas Lisboa: “Muitos suicídios decorrem de situações de impulsividade em momentos de crise com dificuldade em lidar com fatores stressantes externos, como dificuldades financeiras, roturas conjugais, dor e doença crónicas. Por outro lado, situações de conflito, catástrofes, violência, abuso ou luto e o próprio isolamento social estão fortemente associados a comportamentos suicidários”.

Estima-se que cerca de 30 por cento dos suicídios ocorrem por autoenvenenamento com pesticidas, a maioria dos quais em zonas rurais de países subdesenvolvidos ou em vias de desenvolvimento. Outros métodos frequentes são o enforcamento e a utilização de armas de fogo.

“É importante reconhecer os métodos mais utilizados para se poder definir estratégias de prevenção eficazes ao seu acesso. O suicídio é um importante problema de Saúde Pública que pode ser prevenido com intervenções multidisciplinares adequadas baseadas na evidência e, habitualmente, pouco dispendiosas. As medidas para a sua prevenção requerem coordenação e colaboração entre vários sectores sociais incluindo saúde, educação, agricultura, finanças, justiça e defesa”, revela a médica.

Ana Peixinho enumera os principais sinais de alarme: “falar ou escrever frequentemente sobre morte ou suicídio, fazer comentários de desesperança e culpabilidade, utilização de expressões que evidenciam falta de motivação para viver, aumento do consumo de álcool ou drogas, isolamento social, comportamentos imprudentes ou de risco, alterações bruscas de humor e falar em sentir-se aprisionado ou em ser um peso para os outros.”

Quanto às características que diminuem a probabilidade de um individuo considerar, tentar ou consumar o suicídio, a psiquiatra explica que é necessário que haja “um acompanhamento em Saúde Mental, fácil acesso a diferentes intervenções clínicas, relações estruturadas de amizade, familiares e comunitárias, capacidade de resolução de problemas e conflitos e fácil acesso aos cuidadores”.

Sabe-se que 75 por cento dos suicídios ocorrem em países subdesenvolvidos ou em vias de desenvolvimento. Em Portugal, a taxa de mortalidade por suicídio, em 2014, foi de 11,7 por 100 mil habitantes, enquanto em 2012 e 2013 foi de 10,1, por 100 mil habitantes. Dados revelam ainda que os homens apresentam uma taxa de suicídio três vezes superior.

Lusíadas/CS

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close