TEMPO NOVO…

199
Ernani Balsa

Ernani Balsa

Esta ilusão de se passar de ano é mais uma daquelas chavonas que se usam apenas para se dizer o óbvio ou então para não dizer nada, dizendo o que todos dizem. Não sei verdadeiramente se é o tempo que passa ou nós que passamos pelo tempo. O tempo é, de certo modo, uma constante e nós atravessamos a sua dimensão numa outra dimensão que se encaixa na sua métrica. Mas também é verdade, que sendo uma constante, tem uma dinâmica de movimento continuado ou mesmo progressivo e, nesse caso, somos nós que corremos paralelamente ao tempo, na ânsia de o apanharmos durante o prazo de validade das nossas vidas. Há um problema, o prazo de validade não vem impresso na nossa pele, para que nós possamos avaliar em que tempo do tempo teríamos vantagem em o apanhar. O tempo, é portanto, uma variável viscosa e fugidia que nos foge ou nos sobra, consoante os nossos desacertos do seu batimento na máquina precisa e ao mesmo tempo improvável do universo. Utilizamo-lo ao ritmo da sua vontade própria e nunca sabemos se estamos dentro dele ou ele por fora de nós.

Quando se esgota aquilo que se convencionou chamar de um ano, passamos simbolicamente para o seguinte e nessa passagem gostamos de gravar os símbolos de todo um ritual de superstições e crenças. Criamos a ilusão que as coisas que acontecem se arrumam criteriosamente em compartimentos dimensionados à medida do tempo. Que os desejos de um ano não se misturam com os desejos de outro e que o destino obedece a um calendário que fingimos acreditar ser o suporte temporal desse acaso. Nada acontece por acaso, mas é o tempo que o determina e a isso chamamos paulatinamente destino.

Este ano, seguindo uma tradição milenar, o novo ano começou após a décima segunda badalada das zero horas do primeiro dia de Janeiro, o que logo implica uma singularidade assaz estranha. Se a hora que se assinala é a hora zero, porque razão nos referimos e utilizamos as doze badaladas, sendo que as dozes se referem apenas a meio-dia, ou seja ao segundo meio-dia que cada dia contém?… Facilitamos as coisas para não nos confrontarmos com a imperfeição das nossas definições, daquilo que convencionamos ser o mais certo, para não termos de pensar demasiado em encontrar novas e mais correctas formas de representarmos aquilo que é aparentemente indefinível. Zero badaladas! Isso mesmo, como é que iríamos sair deste impasse de pôr um relógio, já de si uma máquina com vontade, não própria, mas das leis da física, a fazer soar as zero badaladas?… Um silêncio, talvez, diria Monsieur de la Palisse, se não fosse ele próprio inteligente, mas como é que se distinguiria a badalada silenciosa das zero horas, de toda a multitude de silêncios a pairar no universo?… Optámos então pelas doze, numa solução de uma imensa falta de espírito criativo, dirão alguns. Outros, não!…

O que atrás ficou dito terá muito de filosofia barata, dirão ainda outros mais atentos e distanciados daquilo a que normalmente se chama de não questões. Fica no entanto a chamada de atenção ao facilitismo, à inércia e ao seguidismo. As pessoas tendem a escolher aquilo que já está escolhido, para não se incomodarem a fazer escolhas. Seguem as tendências expressas, muitas vezes, em previsões que pecam, não menos vezes, por manipulações obscuras que levam a que a preferência vá para a escolha que mais interessa a grupos de influência e de pressão. Em política isto traduz-se por favorecimento daqueles que mais meios têm para influenciar, quer a opinião pública, quer os resultados das sondagens, e que inevitavelmente influenciam um certo tipo de eleitor menos avisado ou então pertencente ao tal grupo dos facilitadores. A ideia de que votar nos que mais sucesso parecem ostentar, partindo do princípio de que já estando à frente, vão com certeza ganhar e serão os melhores, leva-nos à situação que ora vivemos, dois partidos eternamente a revezarem-se em más prestações, a arremessarem as asneiras de uns à cara dos outros e a repetirem ad-eternum a suas políticas que têm de encaixar nos limites do poder financeiro e político internacional, sem nunca ousarem defender o país e aqueles que mais necessitam.

A política tende a ser conservadora, mesmo quando é de esquerda ou adopta outra qualquer etiqueta, porque se acomoda muito facilmente às normas estabelecidas e afina pelo mesmo diapasão comum a todas as tendências. Só se assume como libertadora e insurgente quando consegue sacudir todas essas amarras ao mais ou menos politicamente correcto, quando se indigna verdadeiramente e se torna interventiva em vez de reaccionária, no sentido em que só age por reacção a qualquer impulso exterior que use a linguagem a que se sente formatada. Por isso, mesmo no espectro político actual se nota um ambiente de coexistência bafienta, que embora seja lido como esquerda e direita, deixa grandes dúvidas ao eleitorado e cria um clima nada propício à existência de alternativas, ficando-se pela execrável alternância que nada altera e, antes pelo contrário, cria estados de dependência e de cumplicidade que se realimentam a si próprios, numa espiral de favores e conluios que degradam de ano para ano a vida social e política nacional.

A já tradicional arrumação dos nossos partidos nacionais, entre direita e esquerda, mas que depois induz um nervoso miudinho entre PS e PSD, que umas vezes se consideram partidos do centro e outras vezes de esquerda, por parte do PS e da social-democracia, por parte do PSD, levam a que nada disto ajude o eleitorado a fazer escolhas. Por outro lado, PCP e BE, coabitam o espaço deixado a uma esquerda mais afirmativa, mas acabam por viver de costas voltadas, senão mesmo de prontas, rápidas e insidiosas acusações mútuas prontas a serem disparadas, o que muito contribui para a desconfiança de um eleitorado que gostaria de mudar, mas não acredita na credibilidade destes dois dissidentes de uma esquerda que se queria mais unida. Daí que a via dos movimentos cívicos tenha vindo a ser cuidadosamente explorada na esquerda, como possível ninho de nascimento de uma nova consciência partidária para aqueles que não se revêem definitivamente numa direita do PSD, agrilhoada por um neo-liberalismo feroz e destruidor do humanismo e um centro-esquerda do PS, hesitante, titubeante e constantemente à procura de uma identidade que os atormenta. Há mesmo a declarada intenção do lançamento de um novo partido à esquerda, o Livre, que tentará, segundo o seu promotor, congregar muitas das sinergias desta faixa, que andam desgarradas em hesitações prolongadas ou em estéreis guerras do alecrim e da manjerona que a nada levam. Não sei se esta será a melhor solução, mas sei que o imobilismo é a pior receita para a mudança e Portugal precisa desesperadamente de uma.

Os portugueses precisam de alternativas em vez de alternância, mas precisam de sentir que a mudança necessária seja efectivamente uma mudança de rumo, de procedimentos e de objectivos. Seria bom não almejarmos uma revolução, com todos os ingredientes díspares e aleatórios que sempre transportam para uma normalidade e uma sã convivência que seria bom preservar, mas temos de ousar fazer outras escolhas, fazendo entender àqueles que têm até agora sido os actores principais, que o público os vaia e já não lhes acha piada nenhuma. Daqui até ao seu escorraçar da cena política, já pouco falta. O público já está farto que sejam apenas eles a dar as deixas para as piadas e os mesmo a rirem-se de si próprios, num espectáculo decadente e cruel. A sala já está quase vazia e eles continuam a cobrar bilhetes, a sugar o descontentamento de quem já nada tem para sobreviver. Um dia o teatro vem abaixo e nem os figurantes se salvam… É bom que não cheguemos a tão inútil tragédia… Esforcemo-nos por encontrar um tempo novo nesta fita do tempo que há tempo demasiado se arrasta…

Por: Ernani Balsa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close