Tribunal recusou providência cautelar para a Coleção Miró

254

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa recusou esta manhã, dar provimento à providência cautelar do Ministério Público que pedia a suspensão da venda em Leilão, da Coleção Miró, que se deve iniciar esta tarde na  Christie’s de Londres e que é propriedade do Estado Português, resultante da nacionalização do BPN.

Alegadamente e como já se terá comprovado, as 85 obras de Miró tem um valor largamente superior aos trinta e cinco milhões de euros acordados com a Christie’s e mais grave ainda, será o afto, destas obras, terem saído de Portugal sem cumprir as exigências legais, previstas em legislação específica para este tipo de obras de arte.

Nas primeiras declarações do Partido Socialista, o Deputado José Magalhães, afirmou que o Secretário de Estado da Cultura, vai ser chamado à Assembleia da República, para explicar as razões porque não certificou a coleção e a forma como a mesma saíu de portugal, após o qual, aquele partido pretende proceder no sentido de responsabilizar o autor ou autores, deste negócio, pouco claro e considerado altamente lesivo para o património cultural Português.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close