2020 vai trazer mais bem-estar aos trabalhadores?

2020 vai trazer mais bem-estar aos trabalhadores?

790

Um salário competitivo por si só já não é suficiente para atrair e fixar os profissionais de topo. Os trabalhadores esperam mais das empresas, desejam que estas ofereçam condições que também apoiem o seu bem-estar e estilo de vida.

De acordo com o relatório Workplace Culture Trends para o ano de 2018, 86% dos millennials disseram que considerariam a possibilidade de uma redução salarial para trabalhar numa empresa que lhes oferecesse condições que se encaixassem nos seus valores e estilo de vida. As vantagens mencionadas incluem o acesso a cuidados de saúde, ginástica laboral e licença parental. E, desde então, muita tem sido as empresas em todo o mundo a tentar contemplar tais requisitos.

A IFBP – International Foundation of Employee Benefit Plans – informa que nove em cada dez empresas em todo o mundo oferecem aos seus trabalhadores pelo menos uma forma de benefício de bem-estar e mais de três em cada cinco têm um “orçamento de bem-estar” alocado. Além disso, estes orçamentos deverão aumentar 7,8% nos próximos anos e, de acordo com a Deloitte, o mercado de bem-estar corporativo como um todo valerá 11,3 bilhões de dólares em 2021.

O termo ‘bem-estar’ é vasto e pode cobrir praticamente qualquer aspeto da vida de um funcionário. Desta forma, importa saber em que áreas específicas as empresas estarão focadas em 2020.

Stress e Saúde Mental

A saúde mental dos funcionários é já um tema muito presente, mas no próximo ano irá continuar a dominar as preocupações dos empregadores e a agenda de bem-estar.

Estima-se que o stress e a falta de equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar custe à União Europeia cerca de 20 mil milhões de euros por ano, através da redução da produtividade. Tomando como exemplo um estudo britânico da Chartered Institute of Personnel and Development, 80% dos empregados com problemas de saúde mental no Reino Unido lutam para se concentrarem, 50% têm potencialmente menos probabilidades de serem pacientes com clientes e 37% têm mais probabilidades de entrar em conflito com os colegas.

Por forma a combater estes números, em várias empresas de todo o mundo foram implementadas algumas medidas como formas de aconselhamento, serviços de trauma e linhas telefónicas de apoio emocional aos empregados.

Apoio financeiro

Esta é uma questão que as empresas começaram a abordar nos últimos anos. De acordo com números do Relatório de Benefícios no Local de Trabalho de 2019 do Bank of America, hoje em dia o número de empresas que oferece apoio financeiro de bem-estar (53%) duplicou em relação há quatro anos (24%).
No entanto, de acordo com pesquisas feitas pela Thomsons Online Benefits, ainda há uma série de barreiras que impede as empresas de oferecer programas de bem-estar financeiro aos empregados. Por exemplo, uma em cada quatro empresas está preocupada com o risco de se envolver demasiado na vida financeira dos seus empregados, 20% pensa que não é o seu papel fazê-lo e 24% preocupa-se com os custos de oferecer tal apoio.

Apesar destas preocupações, tem havido uma clara tendência ascendente de empresas que oferecem benefícios de bem-estar financeiro aos seus colaboradores, uma vez que continuam a reconhecer o impacto que a preocupação financeira tem no seu bem-estar.

Flexibilidade de trabalho

À medida que os colaboradores procuram alcançar um maior equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, procuram cada vez mais um emprego onde lhes ofereçam políticas de flexibilidade. Este fator tornou-se tão importante para os funcionários que o último IWG Global Workspace Survey constatou que 83% dos trabalhadores em todo o mundo recusariam um emprego que não oferecesse flexibilidade de trabalho, com 54% deles a afirmar que poder escolher o local de trabalho é mais importante do que trabalhar para uma empresa de prestígio.

Como resultado desta procura, nos últimos dez anos, 85% das empresas introduziram uma política de flexibilidade de espaço de trabalho ou estão a planear adotar uma. Contudo, algumas empresas ainda têm reservas quanto ao trabalho flexível, com 60% a afirmar que a mudança da cultura organizacional é a principal barreira à implementação de uma política de espaço de trabalho flexível. Por outro lado, mais de um terço (41%) revela que o maior obstáculo é o medo do impacto que o trabalho flexível poderá causar na cultura geral da empresa.

International Workplace Group (IWG)

O IWG é líder mundial no fornecimento de espaços de trabalho flexíveis e é detentor das marcas Regus, Spaces, HQ, Signature e Nº18. Os espaços do grupo IWG ajudam cerca de 2,5 milhões de pessoas a trabalhar de forma mais produtiva, ao oferecer uma variedade de espaços de trabalho profissionais, inspiradores e que proporcionam o networking e serviços.
A digitalização e as novas tecnologias estão a transformar o mercado do trabalho. As pessoas querem os benefícios da produtividade pessoal de viver e trabalhar como e onde querem. As empresas querem os benefícios financeiros e estratégicos.
Os clientes do IWG são start-ups, pequenas e médias empresas e grandes multinacionais, com metas e aspirações únicas, que querem uma escolha de espaços de trabalho e comunidades para atender às suas necessidades. Através das suas marcas, o IWG oferece essa escolha.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close