A LANTERNA DE DIÓGENES

1613
J. Antunes de Sousa

J. Antunes de Sousa

A julgar pelo alvoroço popular na praça Syntagma em Atenas, eu faço ideia as vezes que o episódio terá sido evocado – Diógenes de Sínope vagueando, em pleno dia, pelas ruas de Atenas de lanterna acesa em punho. E aos que, espantados, o interpelavam respondia invariavelmente: «procuro um homem», isto é, alguém com aspecto humano que o seja realmente.

Àqueles que tão edificantemente se empenham em descortinar diferenças entre nós, portugueses, e os gregos, já uma vez lhes disse e, agora, repito, que diferentes só no modo como amochamos – um pouco menos ruído por cá. Mas ambos vergados à ditadura insinuante e sinuosa dos mercados – que mais parecem uns modernos mercadores!

A estratégia é, como se sabe, a do predador: reduzir ao mínimo a resistência da presa. Trata-se de ganhar quase sem ter que disparar um tiro – porque o segredo está em tirar ao adversário a sua capacidade de lutar. Como? Ai, de tantas maneiras…

Desde logo, enfraquecendo o ânimo dos dirigentes, fazendo dessa massa inerte de gente de pó-de-arroz, uma tropa em cuecas, desarmada, abúlica, eticamente flácida – e rendida ao fascínio de tão categórica dominação.

Que melhor do que uma massa informe de gente, pateta e alegre, sempre pronta a dobrar docilmente a cerviz a tão luzidios senhores? Essa mixórdia gelatinosa de gente de espinha mole, sempre nos tacos para correr atrás de quem lhe acenar com a moeda mais valiosa: serve-se este senhor e logo a seguir o senhor que se suporia ser o seu oposto – resta saber se o é de facto!

É este magma cinzento do centro lascivioso dos interesses, caracterizado pela paradoxal disponibilidade para servir, sempre com o mesmo enlevo, a Deus e ao diabo, que está a minar e afogar o nosso ânimo colectivo.

Para esta gente, a Ética é mais que nada uma moda – e, como toda a moda, tem a caracterizá-la uma prodigiosa propriedade, a ductilidade: o buraco tem sempre o tamanho e o feitio de quem nele necessita de se esconder!

À margem, pois, da ÉTICA, instalou-se, neste pobre país, uma espécie de zona neutra da (im)pura funcionalidade: funciona? É tecnicamente competente? É quanto basta!

Não há para esta gente outro critério que não seja o pronto-socorro do costume: a legalidade – esse artifício seráfico, congeminado pelo oracular conluio entre as redes clientelares dos interesses instalados. Gastou-se à tripa forra? Mas nem um cêntimo que não estivesse previsto nas rubricas – as tais em letra miudinha. Tentaram ludibriar as contas públicas? Ah, mas era transparente e, tecnicamente, a proposta estava um primor… E pensar eu que grande parte desta gente se formou na Universidade Católica!

Vivemos um tempo que privilegia não a ética maturante do serviço, mas apenas a estética do sucesso a toda a brida – eis o logro que está a dar cabo disto!

Quem nos dera que, neste cantinho à beira- mar plantado, ainda fosse possível encontrar um Secretário de Estado, alguém que pudesse ser um honesto claviculário dos cofres públicos, alguém que resistisse ao teste popperiano da falsificabilidade –  haja alguém, enfim, que se aguente no cargo mais de oito dias!

Sugestão popular: que o Primeiro-Ministro mande instalar em S. Bento a máquina da verdade do programa da Fátima Lopes – talvez assim se poupasse este tempo todo que se leva a lavar roupa suja, uma das actividades mais caras a este nosso povo de língua afiada.

Regresso a Diógenes que, num dia de sol, mas frio, a Alexandre da Macedónia que o visitara e lhe oferecera tudo o que ele quisesse, lhe disse: «não me tires o que não me podes dar», pois estava a fazer-lhe sombra e a impedir que apanhasse o sol com que se aquecia.

Diógenes, desafiando o hedonismo de então, vivia rudemente num barril.

Também nós vivemos, nestes dias de aflição, num barril – de pólvora!

E, de lá, também nós gritamos a estes novos imperadores de trazer por casa: não nos tirem o que não nos podem dar – o Sol da Esperança!

Por: José Antunes de Sousa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close