Home | Atualidade | Internacional | A tragédia do Hotel Saratoga por Ivan Garcia em Havana
A tragédia do Hotel Saratoga por Ivan Garcia em Havana
Estado do Hotel Saratoga após a explosão. Imagem de Irene Pérez / Cubadebate

A tragédia do Hotel Saratoga por Ivan Garcia em Havana

Na sexta-feira, 6 de maio, uma forte explosão aparentemente causada por uma fuga de gás, matou até agora 31 pessoas, incluindo uma mulher grávida, quatro menores e um turista espanhol que caminhava na calçada. Mais de 80 feridos de gravidade diversa, depois da explosão das paredes externas nos primeiros andares do Hotel Saratoga, localizado em Prado y Dragones, em frente ao Capitólio Nacional, no coração de Havana.

A explosão ocorreu pouco antes das 11 da manhã, o som assustador foi ouvido nos arredores. “Não foi uma bomba, não foi um ataque, foi um acidente muito lamentável”, disse aos repórteres, o governante designado Miguel Díaz-Canel, que foi ao local.

Três dias depois, 15 pessoas ainda estavam sob os escombros. O colapso do hotel para já é parcial, afetando quatro dos seis andares de um edifício construído no século XIX e posteriormente reconstruído e remodelado em diversas ocasiões. Arquitetos e especialistas estão a avaliar se a estrutura que ficou de pé pode ser salva ou deve ser totalmente demolida até às fundações. Especialistas em engenharia de construção acreditam que deve ser demolido. Uma das primeiras tarefas das brigadas de resgate foi arrefecer e retirar o tanque de gás que causou a explosão.

O hotel estava encerrado há dois anos devido à pandemia de Covid-19, preparava-se para reabrir ao turismo internacional na terça-feira, 10 de maio. Reinaldo García Zapata, governador de Havana, informou que a escola primária Concepción Arenal, próxima do Saratoga, teve que ser evacuada. Depois do meio-dia de sexta-feira, 6, os parentes dos feridos começaram a chegar ao Hospital Calixto García. “Ele teve que trabalhar hoje. Ela é uma garçonete. Trabalho a dois quarteirões de distância, senti o barulho e não pensei que teria acontecido em Saratoga”, disse Beatriz Céspedes Cobas, 26, irmã de Shaidis Cobas, 27, em lágrimas, enquanto tentava obter informações.

Mais tarde, a televisão estatal mostrou a retirada do camião-tanque vigiada pela polícia, pelas ruas de Havana, pedindo ao público que não acendessem cigarros e se afastassem, o que não impediu que a cena inusitada fosse capturada nos telefones celulares. O motorista aparentemente morreu no local sob o peso dos escombros que caíram sobre a cabine do camião. A diretora da Companhia de Gás, Lázara Soria, esclareceu que o camião abastecia o hotel – sem especificar para que tipo de serviço – continha cerca de 12 mil litros de fluido.

O fotógrafo Michel Figueroa passou em frente ao Saratoga. “A explosão atirou-me ao chão, a minha cabeça ainda dói. Levantei-me, tudo aconteceu muito rápido”, disse ele ao mostrar as imagens que fez. Mayile Pérez chegou à área perguntando pelo marido, Daniel Serra, funcionário da loja dentro do hotel, que ligou para ela após a explosão e disse: “Estou bem, eles já nos retiraram”, mas ela não conseguiu falar com ele novamente. Yazira de la Caridad, que mora a um quarteirão de distância, disse que “o prédio moveu tudo o que pensei que fosse um tremor de terra. Ainda tenho o coração aos saltos.” O hotel está localizado em uma área de prédios antigos e deteriorados, por isso centenas de moradores saíram às ruas com medo de tremores secundários ou explosões.

Localizado no centro histórico de Havana, o Saratoga era um cinco estrelas com 96 quartos, dois bares, dois restaurantes, spa e piscina na cobertura com vista panorâmica da cidade. No primeiro piso localizavam-se o átrio, café-bar, restaurante, sala de navegação na Internet e escritórios. Entre os estrangeiros famosos que se hospedaram lá estão a cantora americana Beyoncé e seu marido, Jay Z. Com seu design neoclássico francês e varandas de ferro forjado, tornou-se um dos edifícios mais emblemáticos da capital.

No comunicado publicado no seu site, o grupo Gaviota, pertencente à GAESA, empresa das Forças Armadas que administra o hotel, indicou que o ocorrido está sendo investigado. Além do hotel, também houve danos graves em prédios próximos, como a escola primária, prédios residenciais, um templo batista e a Associação Yoruba, entre outros.

A primeira transmissão ao vivo, feita por um amador com o seu celular, mostra que os cidadãos que estavam nas proximidades foram os primeiros socorristas, retirando as pessoas presas sob os escombros. Segundo os presentes, bombeiros, ambulâncias, polícia e autoridades demoraram a chegar. “Uma explosão muito grande, parecia uma bomba, as pessoas estão a ajudar, você pode ver”, expressou alguém em um vídeo em Havana. Nas redes sociais, os cubanos compartilham imagens do que aconteceu. Até agora, há muita especulação e perguntas.

Ivan Garcia
Jornalista Independente
In: DesdeLaHabana

 

Foto: Estado do Hotel Saratoga após a explosão. Imagem de Irene Pérez, do Cubadebate.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.