Abertura do Festival de Órgão do Algarve em Portimão

Abertura do Festival de Órgão do Algarve em Portimão

A abertura do Festival de Órgão do Algarve tem lugar este ano na Igreja Matriz de Portimão, dia 1 de novembro, com o organista Gyula Szilágyi e a participação do Coral Adágio dirigido pelo maestro António Alves.

Para além das obras a solo para órgão que utilizarão toda a registação do instrumento, será apresentada a obra para coro e órgão Magnificat do compositor português João Rodrigues Esteves (ca.1700-ca.1755), que alterna entre vozes solistas virtuosas e o tutti.

Gyula Szilágyi estudou no Conservatório em Amsterdão, com Jacques van Oortmerssen e Hans van Nieuwkoop (órgão), Jan Marisse Huizing (piano) e Paul van Nevel (Música Antiga). Realizou inúmeros concertos em muitos órgãos históricos da Península Ibérica e participou em projetos de restauro de órgãos históricos em Jaén, Cádis e Sevilha. Obteve o Doutoramento em performance em órgão na Universidade de Música Liszt Ferenc, em Budapeste, com a dissertação “A Batalha – A vida de um género na arte do órgão ibérico”. É professor associado de órgão e de órgão litúrgico na Faculdade de Música da Universidade de Debrecen.

O Grupo Coral Adágio nasceu em Portimão em 1989. Inclui no repertório peças da Renascença à atualidade, da polifonia sacra aos espirituais negros, passando pela música popular, portuguesa e de outros países. Do seu percurso destacam-se várias deslocações internacionais, atuações em diversos programas de Rádio (RDP) e Televisão (RTP) e interpretação de missas e óperas de relevo. Gravou em 2008 o seu primeiro CD exclusivo, (L)atitudeS. Foi agraciado com a Medalha de Mérito Municipal, grau Bronze (2002) e grau Prata (2008). Tem como diretor artístico o maestro António Alves Alferes Pereira.

Em Faro, os concertos iniciam na Igreja da Sé com um concerto a solo com o músico húngaro-holandês Gyula Szilágyi no dia 2 de novembro, versando a música ibérica, italiana e inglesa.

O programa escolhido traz-nos música esquecida de compositores importantes de várias escolas organísticas, versões virtuosas de hinos religiosos, música contrapontística extremamente elaborada, parábolas sobre a justiça divina, o cantar do cuco, entre outras surpresas.

Os concertos realizam-se às 21h30 e são de entrada livre.

O Festival de Órgão do Algarve 2019 é organizado pela Associação Cultural Música XXI, conta com os apoios da Direção Regional de Cultura do Algarve e dos Municípios de Faro, Loulé, Portimão e Tavira, com o apoio à divulgação da Região de Turismo do Algarve e com os parceiros de comunicação Antena 2, Sul Informação e Rua FM. Conta ainda com a parceria da Ordem do Carmo de Faro, do Cabido da Sé de Faro, das Paróquias de Portimão, Boliqueime e Tavira e da Misericórdia de Tavira.

Igreja Matriz de Portimão, 1 de novembro:

ÓRGÃO SOLO:

Peter Philips (ca.1580-1628): Fantasia [em Ré]

Jan Pieterszoon Sweelinck (1562-1621): Von der Fortuna werd ich getrieben [Engelse Fortuijn], SwWV 320

Peeter Cornet (ca.1570/80-1633): Fantasia ottavi toni

Maurice Greene (1696-1755): Lesson No.1. em Sol Maior: II. Allegro – IV. Allegro

Zoltán Göncz (1958-): Fuga a 3 voci em Fá Maior

Domenico Scarlatti (1685-1757): Sonata K.60 em sol menor, Sonata K.69 em fá menor, Sonata K.85 em Fá Maior

Georg Friedrich Händel (1685-1759): Concerto para órgão solo em sol menor Op.4. No.3. [versão por Walsh] – I. Adagio, II. Allegro, III. Adagio, IV. Gavotte: Allegro

CORO E ÓRGÃO:

João Rodrigues Esteves (ca.1700-ca.1755): Magnificat

Igreja da Sé em Faro, 2 de novembro:

Sebastián Aguilera (1561-1627): Obra de 1º tono [Salve Regina]

Thomas Tomkins (1572-1656): Clarifica me pater, MB 4

William Byrd (ca.1543-1623): Fantasia Ut Re Mi Fa Sol La, BK64

Anónimo castelhano (fim séc. XVII): Obra de clarines 8º tono, mano derecha (Coleção do Fr. António Martín y Coll: Flores de Música, Alcalá de Henares, 1706, BNM M-1357)

Girolamo Frescobaldi (1583-1643): Capriccio sopra il Cucho (Il primo libro di capricci, etc., Venezia, 1626)

Juan Cabanilles (1644-1712): Tiento lleno de 1º tono sobre In exitu Israel de Aegypto

Manuel Rodrigues Coelho (ca.1555-ca.1633): Primeira Susana grosada a 4 sobre a de 5 (‘Flores de Música’, Lisboa, 1620)

Francisco Correa (1584-1654): La muy célebre Canción Susana (LXI) (’Libro de Tientos,… Intitulado Facultad Orgánica’, Alcalá, 1626)

Página FB: https://www.facebook.com/festivalorgaoalgarve/

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close