Home » OPINI√ÉO... » Sa√ļde (Opini√£o) » √Ālcool e F√≠gado e as consequ√™ncias do consumo
√Ālcool e F√≠gado e as consequ√™ncias do consumo

√Ālcool e F√≠gado e as consequ√™ncias do consumo

As consequências do consumo excessivo de bebidas alcoólicas surgem mais rápido do que se pensa.

‚Äú√Č s√≥ um copo, n√£o faz mal a ningu√©m‚ÄĚ √© uma express√£o frequentemente usada em ocasi√Ķes sociais. Contudo, quando esse copo, tido como inofensivo, se transforma num h√°bito, a sua sa√ļde passa a estar em jogo, especialmente tendo em conta que esta subst√Ęncia constitui um fator de risco para mais de 60 condi√ß√Ķes m√©dicas. Ainda assim, este facto n√£o impede que o consumo social total para a Europa seja de 128 mil milh√Ķes de euros anuais e que em Portugal cada pessoa beba, em m√©dia, 12 litros de √°lcool por ano.

A verdade √© que n√£o √© s√≥ o f√≠gado que √© afetado pelo consumo de √°lcool, sendo tamb√©m not√≥ria a liga√ß√£o com o desenvolvimento de doen√ßas graves como o cancro na regi√£o da boca, garganta e est√īmago, press√£o arterial elevada, miocardiopatia, obesidade e at√© depress√£o.

Independentemente desses cenários, o impacto do consumo alcoólico no fígado continua a ser bastante expressivo, sendo responsável por um conjunto de doenças hepáticas, como é o caso da esteatose hepática (fígado gordo), hepatite alcoólica (inflamação), cirrose hepática e cancro do fígado. Em Portugal, o álcool é na atualidade a causa mais frequente de cirrose hepática!

As doenças hepáticas provocadas pelo álcool evoluem muitas vezes silenciosamente até aos estados mais avançados, como é o caso da cirrose hepática e do cancro do fígado. Havendo já cirrose, mesmo quando se está perante uma situação compensada, sem sintomas, a esperança média de vida continua a ser reduzida, rondando cerca de uma década.

Outro dos problemas que agrava a situação é o facto de o consumo de álcool começar relativamente cedo em Portugal, sendo o alcoolismo a toxicodependência mais frequente no país, e de o binge drinking (consumo de grandes quantidades de álcool numa janela temporal pequena) ser cada vez mais popular entre os jovens.

Ainda que para os mais novos, embora a perspetiva de que o seu f√≠gado e sa√ļde no geral sejam afetadas pelo √°lcool pare√ßa distante, a verdade √© que v√°rias consequ√™ncias podem ser imediatas, nomeadamente no desenvolvimento cognitivo, sa√ļde mental, rela√ß√Ķes entre pares, rendimento escolar, acidentes resultantes da condu√ß√£o sob o efeito do √°lcool, e morte por intoxica√ß√£o alco√≥lica.

Se suspeita que sofre de uma adição ao álcool ou tem sintomas como icterícia (cor amarelada dos olhos e pele), fadiga anormal, dor e inchaço na zona abdominal, urina escura e fezes amareladas, cinzentas ou esbranquiçadas, deve procurar ajuda médica de imediato, pois estes sinais podem ser indício de uma lesão avançada no fígado.

Por outro lado, se √© saud√°vel e pretende adotar um consumo moderado com intuito preventivo, saiba que existem v√°rias op√ß√Ķes que podem tornar este h√°bito mais seguro. Comece por controlar as vezes que bebe, ingira cada bebida lentamente e em pequenas quantidades, garantindo que come antes de beber, para reduzir a absor√ß√£o de √°lcool no sangue. Idealmente, procure tamb√©m priorizar as vers√Ķes sem √°lcool ou ent√£o de baixo teor alco√≥lico. O consumo de √°lcool geralmente considerado seguro √© de, no m√°ximo, 2-3 bebidas por dia no homem e 1-2 bebidas por dia na mulher, mas mesmo estas quantidades dependem das caracter√≠sticas pessoais e do estado de sa√ļde de cada um e podem, nalguns casos, ser perigosas.

Por fim, deve resistir √† tenta√ß√£o de ceder √† press√£o social e, caso necessite, n√£o deve sentir vergonha de pedir ajuda especializada, sobretudo porque esse gesto j√° demonstra a sua for√ßa de vontade em reverter o problema. Nesta Semana da Consciencializa√ß√£o para o √Ālcool, que decorre entre os dias 3 e 9 de julho, sob o mote ‚Äú√Ālcool e Custo‚ÄĚ, avalie o preju√≠zo que esta subst√Ęncia poder√° ter na sua sa√ļde, rela√ß√Ķes pessoais e financeiras, a curto e longo prazo.

Arsénio Santos
Presidente da Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado (APEF)

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.