Home | Ambiente | Anunciado o bloqueio da Refinaria da Galp em Sines
Anunciado o bloqueio da Refinaria da Galp em Sines

Anunciado o bloqueio da Refinaria da Galp em Sines

A Climáximo e a Greve Climática Estudantil, convocaram para o próximo dia 18 de Novembro, uma ação de bloqueio à Refinaria da Galp em Sines, “numa das maiores ações de desobediência civil por justiça climática alguma vez realizada em Portugal”

Os colectivos activistas asseguram que vão bloquear a infraestrutura mais poluenteo no país, exigindo “o encerramento planeado da Refinaria da Galp, em Sines, e uma transição justa que garanta soluções para todos os trabalhadores afectados”.

“A nossa casa está a arder e vamos rumo ao colapso total, guiados pelos Governos e empresas fósseis”, refere Carolina Falcato, porta-voz da ação. “O número 350 é simbólico por representar, em partes por milhão, a concentração de dióxido de carbono que seria segura para a vida na terra e foi há muito ultrapassada; e porque também significa voltarmos ao pico de pessoas comprometidas e disponíveis para desobediência civil que tivemos em Portugal em 2019”.

Um relatório recente do Climáximo concluiu que “de acordo com o IPCC [Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, organismo da ONU], os planos climáticos de Portugal implicam esgotar o orçamento de carbono daqui a 5 a 14 anos”, o que leva Carolina a afirmar que “vamos juntas porque ou garantimos o colapso do capitalismo fóssil ou ele garante o nosso”, apontando ainda o exemplo do “despedimento de centenas de pessoas para encerrar a Refinaria da Galp em Matosinhos, durante uma pandemia, para concentrar a produção em Sines”.

Esta é a primeira mobilização nacional no contexto do Acordo de Glasgow – um acordo que surgiu como resposta do movimento global pela justiça climática ao que afirmam ser o “falhanço do Acordo de Paris, dos governos, das empresas e das instituições”.

Realiza-se na sequência da produção de um inventário das infraestruturas nacionais mais poluidoras do país, divulgado no início deste ano, onde a Refinaria da Galp liderava, e que revelava também ser necessário um corte de pelo menos 74% das emissões nacionais até 2030.

A subscrição do compromisso Vamos Juntas! é aberta e feita através do website da iniciativa.

Vamos Juntas! é uma iniciativa conjunta dos colectivos activistas Climáximo e Greve Climática Estudantil/Fridays for Future Portugal, parte do movimento nacional e internacional pela justiça climática, e acontece no âmbito do Acordo de Glasgow.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.