Apesar do aumento de transplantes falta reorganização

Apesar do aumento de transplantes falta reorganização

1078

Os dados publicados pelo Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST) que apontam para um aumento do número de transplantes realizados entre janeiro e maio de 2016, para valores superiores aos dos últimos quatro anos (2012-2016), mereceram uma nota de congratulação, por parte da Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT),

No entanto, para a SPT, continua a faltar uma reorganização urgente da coordenação hospitalar para a doação e colheita de órgãos, bem como um reforço e incentivo dos recursos humanos que se dedicam aos transplantes.

Segundo o IPST, entre janeiro e maio deste ano, houve 151 dadores cadáver, mais 17 do que no primeiro trimestre de 2015, o maior número de dadores registados em igual período desde 2009, o melhor dos últimos anos no que diz respeito aos transplantes em Portugal. Também se verificou um maior número de órgãos colhidos em igual período desde 2009, 24% dos dadores com causa de morte traumática contra os 19% em 2015, um aumento do número de transplantes realizados para valores superiores aos dos últimos quatro anos (2012-2016) com o transplante renal e hepático a registar valores superiores aos verificados em qualquer dos anos anteriores.

Apesar de o panorama atual ser animador, Susana Sampaio, presidente da SPT, considera que “Os números apresentados pelo IPST são positivos e Portugal tem internacionalmente um lugar de destaque nos números da doação e da transplantação. Mas não chega, dado que a alta incidência de doença renal avançada que temos precisa de ainda mais transplantação renal”.

“O aumento do transplante renal de dador vivo e da colheita em dadores em paragem cardiocirculatória podem ajudar-nos a alcançar resultados ainda melhores”, explica Susana Sampaio. “O transplante de rim de dador vivo permite o maior sucesso clínico e pode aumentar as taxas de transplantação renal mas tem uma expressão ainda muito reduzida em Portugal. A SPT realizou há poucos anos a única grande campanha nacional com o mote “Doar um rim faz bem ao coração”. É fundamental relançar as campanhas de informação sobre a doação em vida e cabe ao Ministério da Saúde, em conjunto com as sociedades científicas voltar a dar atenção a esta questão”.

A presidente da SPT realça ainda que Portugal “tem centros de referência de transplantação mas carece duma reorganização urgente da coordenação hospitalar para a doação e colheita de órgãos. Os recursos humanos para a transplantação são altamente especializados e face ao crescente número de transplantados precisam de maior reforço e incentivo”, existem unidades a trabalhar no limite.

E relativamente aos doentes transplantados há também ainda aspetos a corrigir. “Os direitos dos transplantados consagrados na lei são irregularmente cumpridos por algumas administrações hospitalares e a descentralização do seguimento dos transplantados renais por serviços de nefrologia com competência para tal tem que ser rapidamente regulada e implementada”.

A SPT acredita que depois da correção destes aspetos, Portugal terá a capacidade para ser líder não só nos números mas também na competência científica e nos resultados clínicos dos transplantes de órgãos.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close