Home | ZZZ Autores | J.Antunes de Sousa

J.Antunes de Sousa

A TODO O GÁS

Enquanto dedilho estas letras, lavra, impetuoso, um incêndio de ódio que ameaça varrer a Ucrânia, o 44º país em extensão territorial e o 2º da Europa, logo a seguir à Rússia Europeia – um país, além do mais, com uma riquíssima história milenar e que, depois de ter sido co-fundador da URSS, em 1922, dela se veio a separar em 24 de Agosto de 1991, tornando-se assim formalmente independente. Uma vez, porém, entregue a si próprio, eis que se soltaram do seu seio as forças autofágicas da corrupção que, com obscena avidez, têm vindo a sugar os colossais lucros provenientes ...

Read More »

O CAUTELEIRO DO CHIADO

Só há Estado forte quando fortes são os valores em que se alicerça. E os valores que mais condizem com essa condição de Estado (do verbo latino sto, stare, steti, statum: estar firme e de pé, sem recuar) são a estabilidade, a verticalidade, a solidez, a coerência – para que possa ser confiável e respeitável na percepção que dele tem o cidadão. É, como se sabe, na fidelidade firme aos desígnios de devoção ao Bem Comum que os Estados encontram a sua legitimação ético-constitutiva. Ora, é essa aura de reverência e respeitabilidade que o nosso Estado – nosso não por ...

Read More »

A Glosa do Tacho

Antigamente eram de barro, agora são quase todos de inox – muito mais refinados e sofisticados, para não deixar restos do refogado agarrados ao fundo. Os tachos de agora são, para nossa arrelia e desconsolo, mais bem poços sem fundo, autênticos sorvedouros dos recursos que se suporia destinados a providenciar à panela da sobrevivência de cada um. E a propósito de fundo do tacho, eis que virou moda converter alguns desses tachos em “fundos” para que, assim, alguns, uns tantos e os mesmos de sempre, possam rapar o fundo sem deixar rasto ou suspeita. Veja-se o que se está a ...

Read More »

A Padeira de Aljubarrota

Portugal é um país fatal, porque é, bem vistas as coisas, de fatalismo que se nos vem plasmando a alma desde que o pai de todos nós nos gerou na revolta herética contra a própria mãe. Como se desse começo insultuoso e tortuosamente incestuoso nos ficasse a infectar o sangue um remorso que nos consome. Tempos houve, porém, em que reagimos com grandeza à fatalidade da geografia e, acossados por uma vizinhança ameaçadora, nos entregámos à fantástica aventura dos mares até quase nos assenhorearmos do mundo – e senhores dele nos teríamos realmente afirmado, não fora a reacção enciumada de ...

Read More »

OS VENTOS DA HISTÓRIA

Referi-me, na semana passada, às recentes investidas do mar com o balanço trágico que se conhece, e devo ter deixado então a ideia de que esta fúria dos elementos que tão inclementemente nos tem fustigado, um pouco por toda a parte, se deve exclusivamente às descabeladas agressões que, com os nossos excessos e destemperos, temos vindo a infligir à Mãe-Natureza que, como sabemos, não suporta ser violentada. Há, porém, nesta visão um outro excesso que resulta da nossa pretensiosa convicção de que somos o centro todo-poderoso do universo, capazes de, através da nossa vontade e acção, determinar o curso da ...

Read More »

O VÓRTICE POLAR

Não é bem a morte solitária, ultimamente tão publicitada, que causa impressão nestes casos – afinal morrer é o acto supremamente solitário. O que choca, ou que deveria chocar, é que, neste nosso tempo das redes sociais (do facebook e do twitter), neste tempo que se auto-intitula o tempo da comunicação por excelência, haja tanta gente e cada vez mais, dramaticamente mais, a viver na mais gélida e tumular solidão. Não é, pois, o estar só na morte que nos interpela – que aí estaremos inexoravelmente sós todos, mas que a Vida, essa sim, eminentemente comunhão e partilha, haja tanta ...

Read More »

UMA ÉTICA DESLIZANTE

Há na vida deste nosso tempo, neste palco, imenso mas dramaticamente contraído à medida do nosso desatino, um protagonista ubíquo e encantador – ninguém lhe resiste. Ele inunda a cena com a profusa girândola das suas múltiplas cores e insuspeitados matizes. E mais: todos reclamam o exclusivo da sua incondicional veneração. Porque, afinal essa personagem maravilhosa tem os típicos condimentos do mito: todos se lhe rendem, mas quase ninguém o interpreta adequadamente. Nem isso admira, uma vez que o mito é uma imagem destemporalizada e significativa da realidade, é, enfim, uma totalidade de significação que cintila através do olhar situado ...

Read More »

BALANÇO POSITIVO

Portugal é varrido de alto a baixo por um vendaval de luto que a todos sufoca numa raiva surda e impotente. Corre um rio de lágrimas nos corações de Portugal. Alguém que lhe trave o ímpeto, alguém que nos diga e mostre como diminuir-lhe o caudal. Nada. Ninguém. Sobra apenas a estridência de um silêncio de pedra que a todos oprime e esmaga. Bem se tenta, numa certa liturgia do exorcismo, afugentar o pesadelo, disfarçar o monstro. Como? Através de uma não menor monstruosidade – a daqueles macabros balanços comparativos da sinistralidade nas nossas estradas: «é positivo o balanço que ...

Read More »

PASSAGEM DE ANO

Há dias uma senhora que me não via há algum tempo disparou com a certeza de um arqueiro olímpico: “o senhor está com óptimo aspecto, há-de dizer-me qual o segredo”. O que impressiona é a convicção da criatura: ela está absolutamente segura de que me está a fazer um grande elogio. Mas, bem vistas as coisas, não é isso elogio por aí além. Eu pelo menos não fiquei nada entusiasmado. Ela não fez mais do que exprimir a sua surpresa por, afinal, o meu aspecto não corresponder ao velho que ela me considera já e que julgava que eu deveria ...

Read More »

O IMPASSE

É desígnio central da vida que ela possa evoluir – não, porém, pela caprichosa e exclusiva intervenção do acaso, como advogam os darwinistas mais ortodoxos, mas pelo impulso demiúrgico da intenção, isto é, da consciência. Ora, se a atenção de um povo, por via dos mecanismos miméticos da psicologia das massas, estiver fixada num padrão mental de fatalismo, de pobreza é isso precisamente que como realidade sua ele próprio constrói. Estamos no fundo da tabela e é aí que cremos dever estar, nós os portugueses. E esta mentalidade, esta atitude, é, como se sabe, a de uma atávica mendicância face ...

Read More »

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close