COISAS DO FACE

J.Antunes de Sousa

J.Antunes de Sousa

Surgiu há algum tempo um estudo que dava conta de que um terço dos divórcios são artribuíveis à influência directa do facebook. Com toda a franqueza, eu suspeito que este estudo peque por defeito – deve ser bem mais elevada essa percentagem. E a pergunta irrompe directa como um soco: Porquê? Que terá o facebook de tão especial assim para provocar tanto desvario?

Ora se a pergunta é simples, já o mesmo não acontece com a resposta – que é da natureza de qualquer resposta não sê-lo.

Que é a novidade? Sim, claro, que todos nos recordamos de como o último brinquedo nos punha a cabeça à roda. Mas não apenas isso, mesmo que já de si seja bastante. É que não é uma novidade qualquer : ele é uma passerele em que as pessoas se expõem e em que muitas delas, literalmente, se exibem – e, não raro, numa pose de erótica insinuação: a posição mais favorável, o melhor ângulo, o cenário mais sugestivo, etc. E isto porque todos os aderentes partem do mesmo ponto: a crença sincera na particular eficácia deste imenso espaço comunicacional. Nem, se calhar, o próprio Mark Zuckerberg imaginara tanto. E este é um estado de concordância colectiva  cujo efeito é difícil avaliar em toda sa sua extensão – mas é, sem dúvida, muito poderoso. Cada um sabe que, ali, lhe é muito mais fácil causar impressão e ter êxito nesse seu intuito, do que numa outra qualquer circunstância – porque, ali, todos estão mais predispostos a deixarem-se impressionar.

Mas há mais do que esse difuso inebriamento colectivo na mera função de comunicar – há uma espécie de estado erótico de secreta cumplicidade que, em graus diferentes embora, acaba por envolver quase toda a gente. Digamo-lo claramente e sem tibiezas: como todo o avanço tecnológico ou científico, o facebook tem a envolvê-lo uma invencível duplicidade – depende do uso que dele se faça: a fissão do núcleo do urânio permitiu o tratamento de doenças oncológicas, por exemplo, mas deu origem também à bomba atómica que tantas vitímas nipónicas causou e recentemente, em consequência do tsunami, ameaçou voltar a causar.  Assim, o facebook que tantos reencontros felizes tem propiciado e tantas ondas de solidariedade tem encorajado, e que para o derrube de ditadores tão avassaladoramente tem contribuído, é também uma plataforma de transgressividade, mais do que de transgressão – nesta rede social o mais decisivo parece ser a predisposição que as pessoas denotam para transgredir, como se, sob o efeito de um narcótico que lhes baixasse as defesas do tipo proibicionista, se lhes tornasse irresistível esse desejo  de espreitar o perfil do amigo recem-conquistado e, a partir daí, entregarem-se a um abrasador devaneio virtual até lhes não ser já possível parar. E este namoro virtual condiciona a realidade concreta de ambos – eles desempenham, durante o escasso tempo em que dura a chispa da novidade, o papel de mútuo encantamento para, assim, dar sequência e razão ao que o contacto virtual suscitara, até que a realidade, em toda a sua crueza, se lhes imponha e sobrevenha o desencanto e a separação. E eis como o facebook se pode converter numa placa giratória de desenganos e desencontros.

Talvez devido ao seu ínvio aceno ao desafio e à transgressão, o facebook vem-se revelando igualmente eficaz na divulgação vinculativa de mensagens de carácter político que, sob o efeito do contágio, estão a comandar massas imensas conduzidas por líderes emergentes, jovens e atrevidos, especialistas na arte de clicar. Já lhes chamam os “filhos do facebook”, como se por ele tivessem sido gerados – e, de alguma maneira, o foram.

São os novos heróis de uma estrondosa sublevação contra as amarras de ditadores, inefáveis e eloquentes na sua retórica de autojustificação, – foi assim na Tunísia, foi assim no Egipto, foi assim na Líbia, embora, aqui, com um preço muito mais elevado, em proporção com a obstinada convicção de predestinação pessoal de Muammar Kadhafi… e por aí fora. Não, não me esqueci da Síria, mas aqui temos um caso particularmente bicudo e problemático: as hordas ferozes e radicais espreitam o vazio pos-Bashar-al-Assad.

Que é, como dizem alguns, uma revolução pós-islâmica? Pode ser, mas recomendaria alguma prudência nessa avaliação – que as grandes transformações não se costumam gerar nas grandes praças, nem no largo do pelourinho, cenário clássico da vingança popular .

E que dizer da manifestação da “Geração à rasca”? Interessante como o impulso juvenil uniu todas as gerações no sentimento de aflição – como no ultimato! Mas o mais interessante de tudo foi ver como está à rasca a própria classe política que, por medo e pura esquizofrenia, ignorou tão volumosa manifestação. E bem sabemos que aquilo que mais tememos é aquilo que mais certo nos espera. Todos sabemos o que acontece à avestruz que esconde a cabeça na areia: é caçada!

Por: José Antunes de Sousa
“escreve sem o acordo ortográfico”

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close