COVID19: Portugueses preocupados com as consequências

COVID19 Estudo revela a preocupação dos Portugueses

193

Os Portugueses perspetivam as consequências da propagação do COVID-19, a pandemia que grassa em Portugal, e que ainda nem sequer atingiu o “pico”, o ponto em que a força do vírus começa a baixar, na estimativa da ciência.

O estudo realizado pela Multidados em parceria com a Guess What, concluiu que 62% dos inquiridos estão preocupados com a falência da economia, 58% com os números da mortalidade e 46% com a quebra do Serviço Nacional de Saúde.

Numa escala de 0 a 10, a confiança dos portugueses nos diversos profissionais que se encontram na linha da frente do ataque a este coronavirus, é quase máxima, veja-se: enfermeiros (9,58), médicos (9,48), camionistas e trabalhadores em lojas de bens essenciais (9,12), Sistema Nacional de Saúde (8,27) e Forças de segurança (8,22).

Em alta está também a confiança no Presidente da República (7,69), no Primeiro Ministro (7,63), na Ministra da Saúde (7,61) e na Direção Geral da Saúde (7,61).

Sobre as medidas decretadas pelo Governo para o combate à pandemia, a totalidade dos inquiridos (100%), declara conhecê-las e consegue identificá-las: isolamento obrigatório para pessoas infetadas (93%); encerramento de estabelecimentos de restauração, exceto os que dispõem de serviço take-away (91%) e imposição do teletrabalho sempre que possível (89%). Ainda assim, os inquiridos apontam outras iniciativas que deviam ser tomadas pelo governo português, como ajuda económica às famílias (49%), suspensão do pagamento de contratos de água, luz, gás e comunicações (37%), intensificação da fiscalização das autoridades (37%) ou o recolher obrigatório (41%).

Mais de 58% dos inquiridos considera que a crise económica resultante da atual situação, será forte e duradoura. Em caso de necessidade económica, 43% dos inquiridos diz contar com o apoio de amigos, e apenas 1% pensa poder contar com ajuda económica do Governo.

Mais de 36% dos inquiridos diz estar sempre atento às notícias sobre o tema; 37% diz ver as notícias várias vezes ao dia e 25% diz acompanhar as informações sobre o vírus, pelo menos uma vez por dia. A televisão (95%) é o meio de eleição da maioria dos portugueses, seguindo-se as redes sociais (53%), sites do SNS e DGS (46%) e outros sites (26%).

Metade dos inquiridos considera que o pico da pandemia em Portugal só vai ocorrer dentro de um mês, enquanto 32% considera que o pico irá ocorrer daqui a uma semana.

O estudo realizado pelos métodos CATI (Telefónico) E CAWI (online) inquiriu os utilizadores registados na base de dados da plataforma multidados.com. Foram recolhidas e validadas 1.000 respostas entre os dias 20 e 23 de março.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close