Home » Economia » Emprego » Desemprego aumentou em Maio pelo 11º mês consecutivo
Desemprego aumentou em Maio pelo 11º mês consecutivo

Desemprego aumentou em Maio pelo 11º mês consecutivo

A análise aos dados estatísticos do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Serviço Público do Emprego Nacional (IEFP) relativos ao mês de maio, da autoria da Randstad, conclui que o aumento do desemprego tem vindo a crescer pelo 11º mês consecutivo.

Segundo os dados do INE, no mês de maio registou-se uma estabilidade no número de empregados (-300 pessoas, ou seja, -0,0%) relativamente ao mês de abril. Desta forma, o número de pessoas empregadas foi de 5.016.600 pessoas. A população ativa registou um aumento de 8.100 pessoas, isto é, +0,2%, resultado do acréscimo da população desempregada ter sido superior à queda da população empregada. A taxa de desemprego também aumentou em 0,1p.p. face ao mês de abril e situou-se em 6,5%.

A análise por género revela que em maio, 8.500 homens passaram a estar em situação de desemprego, o que equivale a +5,5%. Relativamente às mulheres, registou-se uma ligeira diminuição de 100 mulheres nesta situação (-0,1%). Em termos de faixa etária, os dados mostram que no grupo dos adultos (25 a 74 anos) verificou-se um aumento do desemprego, com mais 5.500 pessoas nesta condição (+2,1%) e no grupo dos jovens (16 a 24 anos) com mais 2.900 pessoas desempregadas (+3,6%).

A análise homóloga mostra que existiu um aumento de 64.500 profissionais (+1,3%) face a maio de 2023 e que a população ativa cresceu em 77.700 pessoas. Os dados relativos ao período homólogo revelam que o desemprego aumentou nos grupos populacionais de mulheres (+9.200 pessoas), homens (+4.000 pessoas), jovens (+11.900 pessoas) e adultos (+1.400 pessoas).

Por outro lado, segundo os dados do IEFP, em maio de 2024, o desemprego registado continuou a sua trajetória ascendente, marcando o 11º mês consecutivo de aumento homólogo (+24.408 desempregados). Este aumento homólogo foi o maior desde abril de 2021 e pode ser atribuído a uma combinação de fatores, incluindo incertezas económicas e mudanças estruturais no mercado de trabalho. Houve uma diminuição mensal nos pedidos de emprego (-2,1%) e no número de desempregados registados (-2,5%) comparativamente com o mês de abril. A queda mensal do desemprego foi mais acentuada no Algarve (-19,1%) e no Norte (-2,0%).

A análise da Randstad destaca que, embora tenham sido verificadas quedas mensais no desemprego registado, os aumentos homólogos são cada vez mais acelerados. Esta contradição pode ser explicada por fatores sazonais e estruturais, indicando desafios contínuos no mercado de trabalho português.

Os dados de maio demonstram uma tendência que não pode ser ignorada e que diz respeito ao aumento homólogo do desemprego registado pelo 11º mês consecutivo. Os aumentos homólogos do desemprego indicam que, ao longo do ano, o mercado de trabalho não está a absorver novos desempregados de forma eficaz e esta situação reflete uma desconexão entre a oferta e a procura de trabalho. Este padrão pode trazer desafios nomeadamente no que diz respeito à reintegração destes profissionais no mercado de trabalho, e na aposta cada vez mais maior que é preciso fazer em programas de upskilling e reskilling.” comenta Isabel Roseiro, diretora de marketing da Randstad Portugal.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.