Home » Saúde » Dia Mundial do Rim – Iniciativa de rastreio à doença renal
Dia Mundial do Rim - Iniciativa de rastreio à doença renal

Dia Mundial do Rim – Iniciativa de rastreio à doença renal

A DaVita Portugal, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, promove um rastreio à doença renal no dia 14 de março de 2024, no Centro Social e Paroquial da Charneca, das 9h às 13h, e na Associação de Promotores de Saúde Ambiente e Desenvolvimento Sócio Cultural (Prosaudesc), das 14h às 18h, com o intuito de assinalar o Dia Mundial do Rim.

A participação na iniciativa é gratuita e destina-se a toda a população, em especial às pessoas com mais de 65 anos.

“O nosso principal objetivo é consciencializar todas as pessoas para a importância da prevenção da doença renal nos seus estádios iniciais, quando ainda é possível retardar ou atrasar a sua progressão. Desta forma, através dos rastreios e dos ensinamentos da nossa esquipa esperamos conseguir incentivar as pessoas a proteger a saúde dos rins, com pequenas mudanças no seu comportamento e estilo de vida”, explica Paulo Dinis, Diretor-Geral da DaVita Portugal.

O rastreio à doença renal consiste na avaliação da tensão arterial, frequência cardíaca, glicemia capilar, peso e altura, e presença de proteínas na urina. São fatores de risco para o desenvolvimento da doença renal crónica a hipertensão arterial, a doença cardiovascular, a diabetes, o excesso de peso ou a obesidade.

Estas avaliações serão realizadas por equipas de médicos nefrologistas e enfermeiros de diálise das Clínicas DaVita Benfica e DaVita Sacavém que, “considerando o seu nível de perícia na área, vão também realizar ensinos, sensibilização e aconselhamento sobre outros fatores de risco e hábitos de vida saudável que contribuem para a saúde renal”, conclui Paulo Dinis.

A doença renal crónica é provocada pela deterioração lenta e irreversível da função renal. Como consequência, existe retenção no sangue de substâncias que normalmente seriam excretadas pelo rim, resultando na acumulação de produtos metabólicos tóxicos no sangue (azotemia ou uremia). Nas fases mais avançadas, as pessoas com esta doença necessitam de realizar regularmente um tratamento de substituição da função renal que poderá ser a hemodiálise, a diálise peritoneal ou o transplante renal.

Fonte:DaVita Portugal

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.