Home | Cultura | Livros | “Elas estiveram nas prisões do fascismo”
“Elas estiveram nas prisões do fascismo”

“Elas estiveram nas prisões do fascismo”

O Auditório Municipal de Pinhal Novo é palco no próximo dia 12 de Fevereiro (15h30), a apresentação do livro “Elas estiveram nas prisões do fascismo”, iniciativa do mUnicipio de Palmela e da União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP) com o apoio do Museu do Aljube.

O livro, da autoria da URAP, conta a história de várias mulheres que estiveram presas por motivos políticos, durante o fascismo. Este livro homenageia as 1.755 mulheres presas nesse período e cujo nome constam no Registo Geral de Presos dos ficheiros da PIDE e do Cadastro da Torre do Tombo.

“Elas estiveram nas prisões do fascismo” aborda a situação jurídica, as condições prisionais que enfrentaram, as lutas sociais e as movimentações democráticas em que participaram, bem como um breve historial das organizações femininas de orientação democrática.

Exposição “Mulheres e Resistência – Novas Cartas Portuguesas e outras lutas”.

Paralelamente, o Foyer da Biblioteca Municipal de Pinhal Novo, acolhe entre 12 e 16 de fevereiro, a Exposição Itinerante “Mulheres e Resistência – Novas Cartas Portuguesas e outras lutas”, do Museu do Aljube. A partir da obra singular de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, esta exposição pretende revelar o contributo das mulheres, que com origens e percursos diferentes, concretizaram batalhas pelos seus direitos, justiça social e liberdade, desde os anos 30 até ao 25 de Abril.

A mostra poderá ser visitada no horário normal de funcionamento da Biblioteca: de terça a sexta-feira, das 10h00 às 19h00 e aos sábados, entre as 14h00 e as 19h00 (encerra aos domingos, 2.ªs e feriados).

A participação/presença nas iniciativas está sujeita às normas COVID-19, da DGS.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.