Espetáculo de Zézé Barbosa no auditório da UCCLA

Espetáculo de Zézé Barbosa no auditório da UCCLA

605

O auditório da UCCLA, recebe no próximo sábado, 28 de fevereiro (21h00), os ritmos de Cabo Verde, interpretados por Zezé Barbosa, que leva ao palco um reportório de coladeras, funaná e mornas, com a saudade das ilhas da Morabeza a ecoar.

Este espetáculo serve igualmente para apresentação do CD “Mornas D’Sodade” e ”Um Beijo Di Bó”. A partir das 19h00 é tempo de gastronomia, com “Moamba com Barulho”.

Zézé Barbosa, ou José Pedro Vieira Barbosa, nasceu em 1962, em Porto Ribeira da Barca, na ilha de Santiago, Cabo Verde. A sua infância foi vivida em Angola até aos anos 70, onde com a sua mãe rumou apenas com 1 ano. O despertar para a música cedo se apoderou de si, pois, já com os amigos de infância tentava dar côr às notas na viola de lata.

Regressando a Cabo Verde anos mais tarde, o reencontro com a terra que o viu nascer teve o impacto fulcral em sua vida. A paixão pela música fez com que tivesse que tocar muitas vezes escondido e na companhia de Deus.

Regressa a Portugal nos anos 80 para embarcar para Holanda a pedido de seu irmão, mas, tudo se altera quando convidado a integrar no grupo Tulipa Negra. A partir de então o guitarrista canhoto conhece a outra face do panorama musical, viajando com o grupo pela Europa. Tendo feito outros trabalhos como parte integrante da banda de várias casas noturnas da Lisboa Africana (Lontra, Ritz Club, Monte Cara, Beleza entre outras) e acompanhando artistas de renome (Bana, Cesária Évora, Vitorino Salomé, entre outros).

O ponto de viragem do seu percurso musical acontece precisamente no Ritz Club a convite do músico Vitorino Salomé. Na Associação Caboverdeana de Lisboa começa a cantar Morna, nos almoços dançantes e onde permanece até aos dias de hoje.

O artista grava o primeiro CD (1995) “Kal é bu sonho” e começa a digressão (Moçambique, Portugal, Cabo Verde e África do Sul). “Um beijo di bó (2014) retrata a forma como se apresenta em palco, um trabalho acústico mais tradicional. “Mornas d’sodade” (2018) lembrando poetas da terra saudosa.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close