Governo apoia Agricultores para escoar produtos

Governo apoia Agricultores para escoar produtos

Os agricultores estão a enfrentar dificuldades para escoar os seus produtos nos mercados locais, quando tinham preparado planos para responder à procura, que decorre habitualmente das festividades da Páscoa.

Segundo a Ministra da Agricultura, “as maiores dificuldades de escoamento são sentidas no setor das carnes de raças autóctones, cuja produção foi programada para responder ao consumo das famílias nesta quadra: “por estarem confinadas e não se juntarem, não estão a consumir” refere Maria do Céu Albuquerque, “a que se junta o setor dos queijos, enchidos e carnes processadas, que tinham como principal destino a restauração, afetados devido ao encerramento do Canal Horeca.

As frutas e os legumes também enfrentam problemas de escoamento, “não só por serem perecíeis, mas também pelo receio infundado no seu consumo”, explicou a ministra.

“Começámos a sentir, em alguns setores, problemas no escoamento dos produtos por diversas razões”, afirmou Maria do Céu Albuquerque numa declaração à Lusa sobre a campanha de promoção lançada e a linha de apoio prevista na portaria publicada no sábado em Diário da República.

Através da portaria publicada no sábado, para “promover e agilizar os canais de comercialização dos produtos locais, alargando as possibilidades de escoamento”, a área de Governo vem estabelecer um apoio de 48 euros diários, 80% da despesa diária calculada, para apoiar as deslocações dos agricultores até aos mercados locais ou pontos de entrega.

No âmbito das medidas excecionais previstas na portaria, o Governo alargou a abrangência das entidades que dinamizem esses mercados, como câmaras municipais, juntas de freguesia ou organizações de produtores e concede apoios para a “adaptação e apetrechamento” dessas infraestruturas dentro dos concelhos ou em concelhos da mesma comunidade intermunicipal.

A despesa elegível para efeitos do apoio oscila entre os 500 e os 50 mil euros, no caso das chamadas cadeias curtas e entre 5 000 e 100 000 euros para os mercados locais.

O Ministério da Agricultura enviou uma carta a todas as comunidades intermunicipais e Associação Nacional de Municípios Portugueses a sensibilizar as câmaras municipais para a necessidade de reabrirem os mercados municipais e locais, dentro das regras de segurança alimentar exigidas.

A campanha «Alimente quem o alimenta», lançada na semana que terminou, tem como objetivo, “apelar ao consumo de produtos locais chamando a atenção do valor dos produtos”.

No âmbito da campanha, o Governo pediu também “às grandes superfícies e cadeias de distribuição para reforçarem as suas encomendas junto dos produtores locais, ajudando a fazer o escoamento dos seus produtos”.

Maria do Céu Albuquerque anunciou ainda que está a trabalhar com os Grupos de Ação Local na criação de “uma plataforma nacional que ligue quem consome e quem vende”.

“É mais uma ferramenta para dinamizar o escoamento dos produtos locais”, que vai “ficar para o futuro”, uma vez que depois do Covid-19, “nada será como antes”, os novos hábitos de consumo a partir da internet criados pela pandemia “devem ser aproveitados”.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close