Home » OPINI√ÉO... » Artigo de Opini√£o » Gripe ou COVID: como diferenciar neste outono/inverno?
Gripe ou COVID: como diferenciar neste outono/inverno?
Drª Laura Brum / Virilogista / Diretora Médica da Synlab Portugal

Gripe ou COVID: como diferenciar neste outono/inverno?

Vivemos um momento de particular incerteza este outono pois, para além do aparecimento de novas estirpes, não sabemos qual será o impacto do vírus influenza, causador da gripe, nestes meses de temperaturas tipicamente mais baixas.

Muito se falou sobre a diminui√ß√£o generalizada (e at√© inexist√™ncia) de casos de gripe, desde o aparecimento da pandemia em mar√ßo de 2020. A utiliza√ß√£o regular da m√°scara, o distanciamento social e o confinamento, enquanto medidas de combate √† COVID-19, ajudaram a prevenir e proteger as pessoas de poss√≠veis infe√ß√Ķes de COVID-19. E ajudaram tamb√©m a reduzir substancialmente os casos de gripe no ano passado. Por√©m, neste pr√≥ximo Inverno, a circula√ß√£o sazonal do v√≠rus da gripe pode conduzir ao aumento expressivo de novos casos gripais.

A atividade gripal – embora habitual – √©, este ano, motivo de maior apreens√£o. A vacina√ß√£o anual √© a principal forma de preven√ß√£o da gripe sazonal. O que nos deve igualmente preocupar √© efetivamente o grau de imunidade que a popula√ß√£o tem para a gripe, dado que no ano passado, poucas pessoas foram vacinadas. Ao desconhecermos o n√≠vel de anticorpos, n√£o temos outra alternativa se n√£o confiar na imunidade alcan√ßada por inocula√ß√Ķes ou casos anteriores de gripe.

Este ano, vamos deparar-nos com uma quest√£o nas nossas vidas: sofrendo de uma infe√ß√£o respirat√≥ria, com sintomas de febre, tosse e dificuldade respirat√≥ria, estamos perante um caso de COVID-19, ou gripe? Cada uma das patologias tem implica√ß√Ķes terap√™uticas distintas, mas quadros cl√≠nicos muito semelhantes. √Č importante, por isso, fazer-se uma correta distin√ß√£o.

Para ajudar a popula√ß√£o e a comunidade m√©dica a efetuar a distin√ß√£o entre a COVID-19 e a gripe, a SYNLAB Portugal disp√Ķe do Teste de Diagn√≥stico de Infe√ß√Ķes Respirat√≥rias, que avalia qual o agente patog√©nico respons√°vel pela infe√ß√£o respirat√≥ria em causa. Dispon√≠vel para adultos e crian√ßas, o teste de diagn√≥stico diferencial entre a COVID-19 e a gripe √© realizado atrav√©s de uma zaragatoa, sem prescri√ß√£o m√©dica obrigat√≥ria, e os resultados s√£o enviados at√© 2 dias √ļteis. Este teste poupa quarentenas desnecess√°rias ao utente, e ajuda a comunidade m√©dica a obter um diagn√≥stico mais preciso, bem como um tratamento dirigido e eficaz. E, nesta fase da crise pand√©mica, que ainda n√£o est√° vencida, todas as ferramentas dispon√≠veis que permitam evitar cont√°gios, hospitaliza√ß√Ķes e internamentos s√£o bem-vindas.

A preven√ß√£o, lembremo-nos, √© capaz de mudar o rumo da evolu√ß√£o das doen√ßas, e o seu impacto na sa√ļde p√ļblica do pa√≠s. Uma das surpresas mais agrad√°veis que assistimos durante o decorrer do processo de vacina√ß√£o no combate √† pandemia de Covid-19 foi testemunhar a participa√ß√£o em massa de milhares de portugueses, em especial de jovens, que, pelo pr√≥prio p√© e voluntariamente, se deslocaram aos centros de vacina√ß√£o. √Č tempo de repetirmos esse ato de consciencializa√ß√£o social, desta vez no que respeita √† vacina√ß√£o contra a gripe.

Nesta altura de aparecimento de uma nova variante, importa lembrar que n√£o devemos baixar a cautela no que toca aos cuidados de higiene respirat√≥ria e prote√ß√£o individual. O uso da m√°scara deve continuar a fazer parte do nosso dia a dia, em nossa prote√ß√£o e daqueles que nos rodeiam, em particular quando estivermos com uma infe√ß√£o respirat√≥ria (gripe, constipa√ß√£o) ou em contacto direto com doentes. Evitar√°, certamente, muitas infe√ß√Ķes respirat√≥rias nesta altura de sazonalidade de gripe e em tempo de pandemia!
A Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde veio a p√ļblico alertar que o v√≠rus SARS-CoV-2 n√£o est√° controlado, nem a pandemia vencida. Neste outono/inverno, fa√ßamos da ‚Äúpreven√ß√£o‚ÄĚ a nossa principal causa individual. Se nos prevenirmos, ajudamos a que a doen√ßa n√£o progredia – seja ela qual for.

Drª Laura Brum
Virilogista / Diretora Médica da Synlab Portugal

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.