Living Land por uma politica agrícola europeia mais sustentável

Living Land por uma politica agrícola europeia mais sustentável

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) é uma das organizações que em conjunto com outras ONGs em Portugal, integram um conjunto de mais de 170 entidades europeias, unidas na campanha Living Land, que exige uma reforma efetiva da Política Agrícola Comum (PAC) na Europa.

A campanha que integra representantes de consumidores, nos setores da alimentação, proteção do ambiente, saúde humana e bem-estar animal, apelam ao maior número de entidades, que se associem na divulgação da campanha e respondam à consulta pública.

Segundo a SPEA, as organizações têm respondido positivamente ao apelo feito pela “Living Land”, uma ampla campanha de sensibilização que dá a conhecer que a Política da União Europeia para a agricultura, tem tido efeitos devastadores tanto no clima como no ambiente, destruindo a vida selvagem, prejudicando a saúde pública e provocando a falência de pequenos e médios agricultores, bem como das sociedades rurais.

O representante da Birdlife Europa da Agricultura para a Europa e Ásia central, Trees Robijns, alerta para que “com esta consulta pública sobre a PAC, há uma oportunidade única, em muitos anos, para dizer à Comissão Europeia que o sistema de agricultura e produção alimentar está obsoleto e que precisa de ser reformulado. Juntem-se à campanha Living Land e façam a vossa voz ser ouvida no debate da agricultura do futuro”

Por outro lado, Faustine Bas-Defossez, do Gabinete do Ambiente Europeu diz que “a política europeia para a agricultura deve deixar de apoiar um modelo que é destruidor do ambiente. Quando a agricultura trabalha em harmonia com o ambiente e não contra ele, protegemos os recursos naturais dos quais dependemos e produzimos alimentos seguros para hoje e amanhã. Os que fingem proteger os interesses da comunidade dos agricultores, têm defendido uma agricultura que leva à destruição destes recursos, uma vez que o que nós produzimos e consumimos nos afeta a todos. É por isso tempo de ter um debate inclusivo sobre o futuro da PAC, que não seja dominado pelos interesses velados dos que estão estabelecidos no sistema.

O representante da WWF Europa, Andreas Baumueller, refere ainda que “a agricultura industrial está a esgotar os recursos naturais na Europa e a nível global. O sistema atual está a afetar a Natureza, pequenos e médios agricultores, a saúde das pessoas e a qualidade da nossa comida. Nós apelámos a um grande número de organizações, empresários e cidadãos para se associarem e dizer à Comissão Europeia que precisamos de uma mudança drástica, uma verdadeira reforma da agricultura.”

O Diretor da SPEA, Dr. Domingos Leitão, lembra que “a continuar com este sistema de produção, que beneficia as grandes propriedades, sem qualquer contrapartida e a agricultura intensiva sem quaisquer preocupações ambientais, as comunidades de aves dos ecossistemas agrícolas, a biodiversidade geral, a qualidade dos alimentos que nós comemos e a justiça social, vão continuar a diminuir e parte do mundo rural, tal como o conhecemos, desaparecerá. Isto terá repercussões na vida de todos nós.”

A Campanha Living Land é iniciativa da Birdlife Europa e Ásia central, em representada em Portugal pela SPEA, pelo Gabinete Europeu do Ambiente e pela WWF-Europa. As organizações que já se juntaram à Living Land, concordam que a nova política Agrícola da UE deve ser, Justa – para os agricultores e comunidades rurais; Ambientalmente sustentável – para um ar e água mais limpos, solos saudáveis e comunidades de plantas e animais prósperas; Saudável – pela boa comida e para o bem-estar das pessoas; Globalmente responsável – para um clima global e um desenvolvimento sustentável à volta do mundo.

Fonte: SPEA

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close