Palmela é destino turístico em crescimento

Palmela é destino turístico em crescimento

391

O Fórum Turismo Palmela debateu e partilhou conhecimento em torno do tema “As Ordens Religioso-Militares na Valorização dos Destinos Turísticos”.

No ano em que Palmela assinala 30 anos de investigação das Ordens Militares, a importância que o património histórico e cultural pode assumir no desenvolvimento turístico do território, foi uma ideia transversal às intervenções que tiveram lugar neste Fórum, que já é uma referência na agenda anual do concelho e da região.

Na sessão de abertura, o Vice-presidente do Município de Palmela, Adilo Costa, começou por referir que o trabalho municipal em torno das Ordens Militares levou o Município «a assumir o desafio de continuar a aprofundar a reflexão em torno do Património Cultural», tema já trabalhado em 2018, Ano Europeu do Património Cultural.

Adilo Costa recordou ainda que, nas últimas décadas, o Município de Palmela «tem incentivado a investigação, a produção de conhecimento e a publicação de uma extensa bibliografia sobre Ordens Militares, sendo considerado, internacionalmente, como uma referência neste campo».

Ao longo de vários séculos, e até à sua extinção (séc. XIX), Palmela foi sede histórica da Ordem Militar de Santiago. A presença dos freires-cavaleiros em Palmela deixou profundas marcas culturais, sociais e económicas no território, assim como um vasto e rico património, que tem vindo a ser investigado e valorizado por parte do Município de Palmela.

A par do trabalho desenvolvido noutros segmentos turísticos, como o enoturismo e o turismo de natureza, e tendo como elemento âncora o Castelo de Palmela – Monumento Nacional desde 1910 – Palmela tem vindo a apostar na valorização do seu património enquanto experiência turística.

Neste contexto, o vereador do Turismo, Luís Miguel Calha, frisou que um dos objetivos da estratégia municipal é, precisamente, «a criação de ativos turísticos a partir de recursos endógenos associados historicamente à Ordem de Santiago».

Sublinhando que «Palmela é um destino turístico com crescente notoriedade», Luís Miguel Calha destacou o forte investimento municipal na área do Turismo. Com 37 candidaturas a fundos comunitários e outros financiamentos externos em curso, que direta ou indiretamente estão ligados à atividade turística, um investimento global na ordem dos 21 milhões de euros, com investimento próprio de 12 milhões de euros, pela Câmara Municipal, o autarca destacou a intervenção nas encostas do Castelo de Palmela, assim como a criação de melhores acessibilidades, que vai permitir transformar este monumento num «exemplo ao nível das acessibilidades, bem como o Núcleo Museológico Ferroviário de Pinhal Novo».

No âmbito da programação cultural, a continuidade do projeto Almenara, em parceria com o Município de Lisboa, vai assegurar a dinamização de iniciativas culturais que potenciam o conhecimento da história do Castelo de Palmela.

Para além destas e outras ações que têm vindo a consolidar a vocação turística do concelho de Palmela, a Câmara Municipal, numa lógica de trabalho conjunto com parceiros e agentes turísticos locais, está empenhada em continuar a acrescentar valor à oferta turística. Nesta senda, está o desenvolvimento de novas produtos turísticos em torno do Caminho de Santiago e «o lançamento de uma rota turística cultural em torno das Ordens Religioso Militares», um desafio que o Município de Palmela irá propor a outros territórios.

O Fórum Turismo Palmela contou também com as intervenções de representantes das Câmaras Municipais de Serpa, Tomar, Avis e Aracena, Universidade Nova de Lisboa, Direção-Geral do Património Cultural, Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, Museu Municipal do Crato e Associação de Hotelaria de Portugal.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close