Home » Economia » Imobili√°rio » Pre√ßo das casas aumentou 7,7% em setembro
Preço das casas aumentou 7,7% em setembro

Preço das casas aumentou 7,7% em setembro

O Doutor Finanças, o maior intermediário digital de crédito em Portugal, em conjunto com a Alfredo, uma plataforma de Inteligência Artificial que recolhe dados do setor imobiliário, acabam de divulgar os dados imobiliários relativos a setembro deste ano.

O pre√ßo das casas em Portugal continua a subir, de acordo com dados da Alfredo que indicam ainda que a oferta de im√≥veis no mercado cresceu 10,5% no √ļltimo ano. Em setembro, os im√≥veis residenciais das principais capitais de distrito do pa√≠s foram transacionados a um valor m√©dio de 2.200 euros por metro quadrado, o que corresponde a uma subida de 7,7% nos √ļltimos 12 meses. Face ao m√™s anterior (agosto), o crescimento foi de 0,3%.

‚ÄúO mercado imobili√°rio portugu√™s continua a revelar uma din√Ęmica elevada. Os dados mostram que estes primeiros nove meses do ano foram marcados por um aumento dos im√≥veis dispon√≠veis para venda, o que ainda assim n√£o se refletiu numa press√£o significativa sobre os pre√ßos. Numa altura em que as taxas de juro est√£o elevadas e em que muitas fam√≠lias est√£o a tomar decis√Ķes sobre venda e compra de casa, estes dados da Alfredo podem ajudar a tomar melhores decis√Ķes‚ÄĚ, afirma Rui Bairrada, CEO do Doutor Finan√ßas.

Os pre√ßos das moradias foram os que mais contribu√≠ram para este aumento de valores, apesar de terem diminu√≠do ligeiramente no √ļltimo m√™s (-0,3%), aumentaram 8,5% em rela√ß√£o a setembro de 2022. O pre√ßo m√©dio das moradias fixou-se em 1.194 euros por metro quadrado, muito abaixo, ainda assim, do valor m√©dio dos apartamentos, que atingiu 2.961 euros por metro quadrado no m√™s anterior. Neste caso, trata-se de um crescimento de 4,9% no √ļltimo ano, e de 0,4% relativamente a agosto.

‚ÄúO mercado imobili√°rio portugu√™s demonstra uma not√°vel resili√™ncia, sobretudo no que se refere aos pre√ßos dos im√≥veis residenciais. Apesar da estabilidade atual do n√ļmero de im√≥veis dispon√≠veis no mercado, observou-se um aumento no primeiro semestre do ano. Relativamente ao volume de im√≥veis transacionados, houve uma diminui√ß√£o, traduzindo-se numa capitaliza√ß√£o de mercado de 6,9 mil milh√Ķes de euros em mar√ßo deste ano, em contraste com os 8,1 mil milh√Ķes de euros registados em mar√ßo de 2022. Neste cen√°rio, o √ćndice de Pre√ßos Alfredo surge como uma ferramenta essencial para o acompanhamento mensal destas tend√™ncias‚ÄĚ, explica Gon√ßalo Abreu, cofundador da Alfredo.

Preço das casas aumenta e oferta de imóveis cresce 10,5%

Mais de metade das 18 capitais de distrito portuguesas apresentam uma subida de pre√ßos acentuada, com crescimentos acima de 10% no √ļltimo ano. J√° na compara√ß√£o mensal (face a agosto), das 20 capitais de distrito analisadas, 13 regi√Ķes observaram aumentos de pre√ßos, cinco registaram descidas, e em dois os valores m√©dios mantiveram-se inalterados.

Ainda sobre valores de transação de imóveis, Lisboa continua a ser a região mais cara do país, com um preço médio de 408 mil euros no caso dos apartamentos e 590 mil euros nas moradias. Do lado oposto está Portalegre, onde o preço médio de venda dos apartamentos se situou nos 85 mil euros, e a Guarda, onde o preço médio das moradias é de 40 mil euros.

Em termos de oferta, verificou-se um crescimento no mercado ao longo do ano. No final do terceiro trimestre, havia 190.598 imóveis disponíveis para venda, mais 10,5% em relação aos 172.435 de setembro de 2022.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.