Home | Economia | Empresas | Regresso ao trabalho presencial até ao final do ano
Regresso ao trabalho presencial até ao final do ano

Regresso ao trabalho presencial até ao final do ano

As empresas portuguesas planeiam o regresso ao trabalho presencial nos escritórios até ao final do ano, para os colaboradores que o desejem. Segundo um estudo da Willis Towers Watson, o setor empresarial português não obriga à vacinação no regresso ao trabalho presencial, mas encoraja os colaboradores a vacinarem-se.

Num momento em que se sabe que a recomendação do teletrabalho vai deixar de vigorar, 70% dos empregadores portugueses planeiam permitir um regresso ao trabalho presencial para a maioria dos colaboradores que o desejem, até ao final de 2021, como revela o estudo Tendências em Benefícios 2021 da Willis Towers Watson, empresa global de consultoria, corretagem e soluções, que apoia clientes em todo o mundo.

De acordo com o estudo, apenas 19% dos empregadores portugueses não têm a certeza sobre quando é que autorizarão o regresso ao trabalho presencial a todos os colaboradores que o pretendam; enquanto 7% aponta para que tal aconteça no primeiro trimestre de 2022.

Questionados sobre o fim dos protocolos de segurança nos locais de trabalho, 42% dos inquiridos manifestam-se incertos sobre quando é que as medidas vão terminar e 23% acreditam que acontecerá até ao final deste ano.

Maioria das empresas não impõe vacinação

Sete em cada dez (72%) dos empregadores questionados indicam que não vão impor a vacinação no regresso ao trabalho presencial, com apenas 2% a defender que deveria ser obrigatório e 12% a referir que está a considerar a hipótese.

Segundo o estudo Tendências em Benefícios 2021, as empresas portuguesas estão mais interessadas em encorajar os seus recursos humanos a vacinarem-se, em vez de insistirem na vacinação: uma em cada cinco (20%) realizou campanhas de comunicação para encorajar os funcionários a serem vacinados, enquanto 30% estão a planear ou a considerar este tipo de campanhas.

Alguns empregadores portugueses vão mesmo mais longe, com um em cada oito (12%) dos inquiridos a incentivar os colaboradores a serem vacinados, com dinheiro ou tempo extra de férias, e outros 10% a considerar fazê-lo. Contudo, a maioria (58%) não pondera a possibilidade de oferecer quaisquer incentivos.

Para Alexandre Falcão, Associate Director de Health and Benefits, da Willis Towers Watson: “as vacinas são uma grande parte da transição gradual para um ‘novo normal’, após a convulsão de uma pandemia mundial. Os empregadores veem-se no papel de comunicadores e educadores sobre a vacinação, em vez de estabelecerem regras rígidas. Deveriam estar a ouvir atentamente os seus colaboradores durante este período, ainda inquietante e incerto para muitos.”

Regime de trabalho híbrido é o futuro

O estudo Tendências em Benefícios 2021 abordou, também, o futuro dos regimes de trabalho nas empresas portuguesas e, dentro de dois anos, apenas 45% dos colaboradores deverão trabalhar no escritório durante pelo menos 80% do seu tempo, em comparação com os 33% registados atualmente e os 86% há dois anos (pré-pandemia).

Segundo os inquiridos, dentro de dois anos 35% dos colaboradores deverão estar num regime híbrido entre trabalho presencial e remoto, enquanto 20% trabalharão a partir de casa pelo menos 80% do tempo. Há dois anos, apenas 8% dos colaboradores trabalhavam em regime híbrido e 5% à distância.

“Um regime de trabalho híbrido, que mistura o trabalho remoto e o presencial, vai ser uma grande parte do futuro. Dentro de dois anos, um em cada três trabalhadores poderá estar num modelo híbrido. O mercado tem sofrido grandes mudanças durante esta pandemia por COVID e as pessoas vão precisar de apoio neste caminho. Há muitos benefícios no trabalho híbrido, pois as pessoas podem misturar o melhor do trabalho em casa e no escritório, mas os empregadores precisam de se concentrar e acertar os pormenores deste novo modelo”, considera Alexandre Falcão.

O estudo da Willis Towers Watson questionou executivos seniores de 70 empresas portuguesas entre maio e junho de 2021.

Partilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.