REVOLTA NA TURQUIA

Ditadura Mais Não!

Merve Arkan

Merve Arkan

A Turquia está a assistir nas duas últimas semanas a um dos movimentos mais fortes da sua história, por parte da oposição. Ninguém esperava que o plano do governo para demolir um parque no centro de Istambul e nele construir um centro comercial, viria a transformar-se num movimento popular anti-governo, como este. O AKP (Partido Justiça e Desenvolvimento) chegou ao poder em 2002, e alcançou grande sucesso nas três eleições gerais, em duas eleições locais e no referendo constitucional em 2010. Como partido islâmico, o AKP foi apresentado como um modelo de democracia para o mundo islâmico, especialmente para os países da Primavera Árabe, onde os islâmicos chegaram ao poder. O seu líder, Recep Tayyip Erdogan, foi apresentado como um líder carismático, que teve um enorme apoio popular. O governo do AKP foi muito bem-sucedido numa islamização gradual da sociedade, recebendo também o apoio dos liberais que estavam contra o sistema estatal patriota, e que era muito forte desde a fundação da república por Mustafa Kemal Ataturk.

Poder Absoluto Através da Democracia

Nas últimas eleições gerais, em 2011, o AKP obteve quase 50% dos votos. Isto mostrou como o AKP conseguiu ser um poder absoluto, de uma forma democrática, tendo a oportunidade de alterar todo o país, sem uma grande oposição. Mas a história mostra que este tipo de poder não dura para sempre. O AKP tem um grande plano para transformar o país e começou por brandir uma guerra contra a oposição, especialmente contra os membros mais seculares do exército. Como a Turquia passou já por três golpes militares na sua história, o AKP quis ver-se livre de outro golpe, prendendo os líderes mais proeminentes do exército. Durante os 11 anos de governo AKP, abriram-se muitos cursos islâmicos, tentou-se remover a proibição de véus para as mulheres, em locais públicos e chegou-se mesmo a legalizar alguns grupos islâmicos radicais. Eles têm o apoio dos capitalistas e dos meios de comunicação, silenciando quase todas as vozes opostas. O facto de que 72 jornalistas estejam ainda na prisão, mostra a dimensão da enorme opressão contra o direito da liberdade de expressão.

O Parque que Mudou a Turquia

Esta última revolta começou com a oposição contra o plano para demolir um dos poucos parques em Istambul, uma cidade com mais de 15 milhões de pessoas. O primeiro-ministro Erdogan anunciou o seu plano para mudar toda a praça no bairro Taksim. Eles também poderiam demolir o Centro Cultural Ataturk, onde havia muitos teatros e salas de ópera. No início, era um pequeno movimento contra o plano, mas a revolta tinha um fundo. Nos últimos meses, o governo aumentou a pressão sobre a sociedade. Eles demoliram um cinema histórico em Taksim para construir um outro centro comercial e usaram bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes pacíficos. Proibiram a reunião do 1º de Maio na Praça Taksim e a cidade tornou-se como um campo de batalha, que opunha as pessoas que queriam celebrar o Dia do Trabalhador e centenas de polícias que usaram bombas de gás lacrimogêneo, carros blindados e canhões de água para dispersá-los. O Governo AKP que apoiou os terroristas radicais islâmicos contra o governo Sírio e colocou a sociedade turca em grande risco de guerra, ficou em silêncio por longo tempo, quando 51 pessoas morreram num ataque à bomba em 11 de Maio, em Rayhanlı, uma cidade na fronteira da Síria. O AKP culpou então o governo de Assad, mas para as pessoas em Reyhanlı, o responsável é o AKP e os combatentes da oposição Síria, que estão baseados em território turco há bastante tempo, com o apoio do AKP.

O governo estava muito certo de que iria oprimir qualquer voz contrária. No mês passado, o primeiro-ministro anunciou que iria proibir a venda de bebidas alcoólicas, entre as 22:00 e as 06:00, não hesitando em insultar os críticos, chamando-lhes “bêbados”. Em Gezi Park, enquanto um pequeno grupo de manifestantes estava alojado nas tendas, as máquinas de construção começaram a demolir árvores históricas, e a polícia usou novamente gás lacrimogêneo contra o grupo que tentou impedir a demolição, tendo também queimado as tendas de forma violenta. Esta foi a última gota de água que desencadeou a ira da sociedade contra opressão do AKP. O governo mostrou que não conseguia tolerar um simples protesto ambientalista totalmente pacífico e a resistência para proteger Gezi Parque levou a um enorme movimento popular contra o governo.

A Rua Tem Voz Própria

Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas, não só em Istambul, mas em muitas cidades, apesar da violência policial, do uso de gás lacrimogêneo e todos os tipos de opressão, compreendendo que não tinham outra alternativa, senão a luta contra o AKP. Milhares de jovens construíram barricadas para entrar em conflito com a polícia e acabaram por libertar Gezi Park, a Praça Taksim e toda a vizinhança em redor. Duas pessoas morreram, centenas de pessoas foram presas e torturadas pela polícia, mas as pessoas de diferentes partes do país ainda estão nas ruas. Muitos liberais, muçulmanos, ONG’s, bem assim como grupos de esquerda, apoiam este movimento. O governo, crente de que tinha construído uma sociedade covarde, ficou muito surpreendido ao enfrentar uma revolta desta dimensão, e usa ainda todos os meios para oprimir a resistência. Em Izmir, uma cidade na costa oeste da Turquia, prenderam cerca de 30 jovens porque os seus “tweets” apoiavam o movimento de resistência. Erdogan, que estava numa viagem à África do Norte, ameaçou a oposição dizendo que tenta controlar seus partidários, que estão muito irritados, mas prontos para lutar. Agora, num país totalmente dividido entre os partidários do AKP e os da oposição que quer que o governo se demita, uma verdadeira luta pelo poder irá moldar o futuro da Turquia.

Por: Merve Arkan na Turquia – Istambul

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close