Transitários em teletrabalho devido ao Covid-19

Transitários em teletrabalho devido ao Covid-19

A Associação dos Transitários de Portugal (APAT), promoveu junto dos seus associados, um inquérito sobre o impacto da COVID-19 que tinha como objetivo, perceber a forma como os transitários estão a contornar as consequências do coronavirus e que expectativas têm para o futuro.

A APAT pretendia com esta iniciativa, perceber quais as maiores dificuldades e o caminho a seguir, sustentado na opinião de quem trabalha todos os dias nos setores da Logística e da cadeia de Transportes.

Segundo a associação, as conclusões deste inquérito indicam que:

  • · 95,5% dos transitários afirmam ter implementado um Plano de Contingência, para proteger os seus colaboradores e parceiros;
  • · 24,6% dos inquiridos sentiram necessidade de recorrer ao Lay-off, sobretudo os que estão mais dedicados a nichos de mercado que, entretanto, pararam, nomeadamente o tráfego aéreo e, em grande parte, o rodoviário;
  • · 78,2% adotaram o regime de teletrabalho, evitando o contacto social e cumprindo o solicitado pelo Governo. Sem deixar de estar na linha da frente, os transitários procuraram encontrar as melhores soluções para o abastecimento dos bens de primeira necessidade e de equipamentos médicos.

Para os transitários, as principais dificuldades passam por:

  • · Diminuição do volume de negócio, com muitos transportes em “vazio”;
  • · Crédito malparado, Cobranças difíceis e falta de liquidez de clientes;
  • · Especulações de preço / aumento de custos;
  • · Diminuição da capacidade de resposta (transporte marítimo, por elevadas omissões de escalas; transporte aéreo, devido à suspensão de voos de passageiros e encerramento de fronteiras; transporte rodoviário, por falta de camiões nomeadamente para exportação);
  • · Resposta mais demorada por parte dos organismos públicos, como as alfândegas, e obrigatoriedade de apresentação de alguma documentação em suporte físico;
  • · Ausência de medidas concretas para a atividade transitária.

Relativamente ao futuro e a perspetivas de recuperação da crise atual para a atividade transitária, há duas correntes de opinião: uma defende que o levantamento gradual das contingências determinará a aceleração da recuperação económica, enquanto outra acredita que, apesar da abertura gradual do mercado, o processo de recuperação será mais difícil e prolongado no tempo, essencialmente por questões económicas.

António Nabo Martins, Presidente Executivo da APAT, afirma: “Podemos talvez concluir, que apesar de algum otimismo que nos define sempre, porque estamos permanentemente focados em ajudar o país na retoma da atividade e no relançamento da nossa economia, sabemos também que temos de ser cautelosos pois muito dependerá das orientações do Governo e da UE e já não tanto da nossa vontade, esforço e abnegação”.

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close