Universidade de Coimbra estuda mecanismos da Demência

1164

Apesar de ser a segunda demência mais comum, a seguir à doença de Alzheimer, a Degenerescência Lobar Frontotemporal (Demência Frontotemporal – DFT), é ainda praticamente desconhecida. Pela primeira vez, em Portugal, uma equipa de 14 investigadores da Universidade de Coimbra (UC), através do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Medicina (FMUC), está a estudar os mecanismos envolvidos nesta patologia com grandes implicações no comportamento, porque afeta sobretudo o «centro de decisão» do cérebro (os lobos frontal e temporal).

Os primeiros resultados do estudo que envolve 70 doentes seguidos na consulta de Demências, coordenada pela neurologista Isabel Santana, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), revelaram profundas alterações ao nível do complexo 1 da cadeia respiratória mitocondrial – CRM (sistema multienzimático constituído por cinco complexos que integram, cada, um vasto conjunto de proteínas codificadas por dois genomas – nuclear e mitocondrial) em comparação com um grupo controlo constituído por voluntários saudáveis.

«Em 69 dos 70 doentes acompanhados foram verificadas deficiências genéticas e bioenergéticas, nomeadamente: 358 alterações (161 diferentes) nos 7 genes do genoma mitocondrial (mtDNA) que codificam subunidades do complexo I da CRM; em 40 doentes, observou-se diminuição nos níveis de ATP circulantes, que se correlaciona com o decréscimo da atividade do complexo I da CRM, particularmente em doentes com défice cognitivo, fornecendo mais evidências da disfunção na atividade bioenergética mitocondrial», explica Manuela Grazina, coordenadora do estudo e responsável pelo Laboratório de Bioquímica Genética da UC, laboratório nacional de referência para o diagnóstico e investigação de doenças raras, em particular citopatias mitocondriais.

De forma simples, podemos dizer que os investigadores identificaram a «falha de energia» que pode ajudar a esclarecer os mecanismos envolvidos na doença, ou seja, permite perceber onde é que o código está errado para, a partir daí, desenvolver formas de compensar ou reparar esse erro.

Atendendo a que a Demência Frontotemporal é uma demência complexa, desconhecendo-se os mecanismos exatos subjacentes à sua etiologia, este estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), pretende «ajudar no desenvolvimento de escalas neuropsicológicas de diagnóstico e análise de biomarcadores bigenómicos e bioquímicos, que permitam a deteção precoce da doença e contribuir para novas abordagens terapêuticas que previnam e / ou travem a progressão da DFT», sublinha a investigadora.

Apesar de não haver estudos sobre a incidência da patologia em Portugal, estima-se que a Demência Frontotemporal representa 7% do conjunto das demências degenerativas na população, com idades compreendidas entre os 45 anos e os 64 anos. Este primeiro grande estudo de avaliação da interação bigenómica (genomas mitocondrial e nuclear) na Demência Frontotemporal conta também com a colaboração do Baylor College of Medicine (EUA) e do Institute of Ageing and Health (Inglaterra).

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close