“Palavra de Rainha” no Palácio Nacional de Queluz

“Palavra de Rainha” no Palácio Nacional de Queluz

253

A peça “Palavra de Rainha”, uma adaptação livre da história de vida de D. Maria I, rainha de Portugal, vai estar em exibição no Palácio Nacional de Queluz a 8, 9, 10, 15, 16 e 17 de julho. O monólogo, da autoria de Sérgio Roveri, é interpretado pela atriz brasileira Lu Grimaldi.

Encenada por Mika Lins e promovida em parceria pela Turma do Bem e pela Parques de Sintra, “Palavra de Rainha” combina factos históricos e ficção para narrar a trajetória da primeira mulher a assumir o trono português.

Conhecida em Portugal como “A Piedosa”, ou no Brasil como “A Louca”, a figura de D. Maria I permanece indissociável do Palácio Nacional de Queluz, espaço que habitou em permanência de 1794 até 1807, ano da partida da Família Real Portuguesa para o Brasil.

“Culta e muito religiosa, a rainha governou Portugal durante 15 anos com dedicação e prudência, tentando reverter alguns dos atos mais polémicos do reinado do pai (D. José) e do seu primeiro-ministro, Marquês de Pombal”, relata a diretora do Palácio Nacional de Queluz, Inês Ferro.

A vida privada da rainha, cujo bicentenário da morte se assinala este ano, foi no entanto marcada por uma sequência de eventos trágicos. À morte do marido, D. Pedro III, em 1786, seguem-se, dois anos depois, as mortes do príncipe herdeiro D. José, da filha Mariana Victória e do Arcebispo de Tessalónica, seu diretor espiritual. “São duros golpes para a mente frágil da rainha que é dada como incapaz em 1792”, refere Inês Ferro. Até à partida da família real para o Brasil, D. Maria viveu recolhida no Palácio de Queluz.

Sérgio Roveri, dramaturgo e autor da peça, destaca a riqueza desta personagem, “trágica” e “complexa”, que poderia ter sido criada “pela mente de um Shakespeare, de um Eurípides”. “D. Maria foi talhada pela vida, o que dá uma dimensão assustadoramente real às suas dores, aos seus dilemas e aos seus poucos e pequenos prazeres”, sublinha.

A rainha morreu no Rio de Janeiro aos 81 anos, a 20 de março de 1816. O seu corpo regressou a Portugal cinco anos depois, para ser sepultado na Basílica da Estrela. “Que «Palavra de Rainha» possa servir, ao menos, de um convidativo cartão-de-visita desta mulher com quem a história foi tão pouco generosa”, conclui Sérgio Roveri.

Local: Sala do Trono, Palácio Nacional de Queluz

Ficha Técnica
Elenco: Lu Grimaldi
Texto: Sérgio Roveri
Direção: Mika Lins
Produção: Camila Carnicelli
Promotor: Turma do Bem e Parques de Sintra

Partilhe:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*


CAPTCHA Image

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O site 'ipressJournal' utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação do visitante. LER MAIS

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close